Benefícios da vitamina A

Autor: 
Jennifer Brett, N.D.

Além de tratar as síndromes de deficiência, a vitamina A possui vários usos terapêuticos e preventivos. Ela é um "remédio" importante para o sistema imunológico e mantém as células da pele e das membranas mucosas saudáveis. Quando as membranas estão saudáveis, elas ficam úmidas e resistentes a lesões na célula. A umidade impede que bactérias e vírus ultrapassem as barreiras e dêem início a doenças infecciosas.

A vitamina A ajuda a manter as células da pele e da membrana mucosa saudáveis.
2007 Publications International, Ltd.
A vitamina A ajuda a manter as
células da pele e das membranas mucosas saudáveis

Células saudáveis também são resistentes a cânceres. A vitamina A combate o câncer inibindo a produção de DNA em células cancerosas. Também retarda o crescimento do tumor em cânceres estabelecidos e pode impedir que as células da leucemia se dividam.

Essa vitamina é particularmente útil em doenças causadas por vírus. Sarampo, vírus respiratórios e até o HIV (vírus da imunodeficiência humana), que causa a AIDS, podem fugir na presença da vitamina A. Os níveis dessa vitamina no sangue geralmente são baixos em pessoas com doenças virais. Após receber quantidade extra de vitamina A, o corpo é capaz de preparar sua defesa, em geral, resultando em uma recuperação mais rápida. Entretanto, ela também pode aumentar o risco de infecções, de acordo com as descobertas feitas por um estudo recente. Na infecção por HIV, por exemplo, a vitamina A pré-fabricada também pode estimular a replicação do vírus, por isso, limitar o consumo de vitamina A é a melhor opção para esses pacientes.

As vítimas de derrame (acidente vascular cerebral) que apresentam níveis elevados de vitamina A têm menor probabilidade de morrer ou sofrer de deficiências decorrentes do derrame. O consumo regular de frutas e verduras é uma excelente defesa contra o derrame e suas complicações.

A aplicação tópica de vitamina A ajuda a aliviar a síndrome do olho seco. Quando não há produção de lágrimas nem lubrificação, os olhos ficam secos e extremamente desconfortáveis. Muitas opções de tratamento normalmente não são satisfatórias, com exceção dos colírios de vitamina A. Usados clinicamente, esses colírios melhoram o funcionamento das células e deixam os olhos úmidos. 

A vitamina A de uso oral e tópico, aparentemente, é promissora na prevenção e, possivelmente, no tratamento de câncer de pele. Ela também pode ser útil no clareamento das manchas escuras que geralmente surgem com a idade. A aplicação tópica usada em um estudo clareou significativamente essas manchas em um período de um mês.

Os derivados de vitamina A são utilizados no tratamento de doenças da pele. Isotretinoína é um medicamento oral usado no tratamento de acne cística grave. Como existe a possibilidade de haver efeitos colaterais graves, como lesões no fígado e níveis elevados de triglicerídeos no sangue, o médico precisa monitorar de perto o tratamento com esse medicamento. Qualquer mulher que possa engravidar deve usar contraceptivos de confiança ao tomar esse medicamento, pois ele pode causar aborto espontâneo ou sérios defeitos de nascença. As gestantes devem evitar usá-lo, como também outras fontes de vitamina A em doses elevadas.

Tretinoína é um medicamento tópico usado principalmente no tratamento de acne, com menos possibilidade de efeitos colaterais sérios do que a isotretinoína oral. Ela trata a calvície quando prescrita junto com minoxidil. Também pode diminuir o aparecimento de rugas e reverter os efeitos dos danos do sol na pele. Outro derivado de vitamina A, o etretinato, pode tratar a psoríase.

Especialistas concordam que a melhor maneira de obter os nutrientes essenciais é por meio de dieta. Continue lendo para conhecer os alimentos que contêm vitamina A.

A vitamina A é apenas um dos muitos nutrientes essenciais que precisam fazer parte de sua dieta. Para obter mais informações, acesse os links a seguir:

Esses dados são apenas informativos. ELES NÃO TÊM O OBJETIVO DE PROPORCIONAR ORIENTAÇÃO MÉDICA. Nem os editores de Consumer Guide (R), Publications International, Ltda., nem o autor, nem a editora se responsabilizam por quaisquer conseqüências possíveis oriundas de tratamento, procedimento, exercício, modificação alimentar, ação ou aplicação de medicação resultante da leitura ou aplicação das informações aqui contidas. A publicação dessas informações não constitui prática de medicina e elas não substituem a orientação de seu médico ou de outros profissionais da área médica. Antes de se submeter a qualquer tratamento, o leitor deve procurar atendimento médico ou de outro profissional da área da saúde.