Tratamentos dietéticos para problemas da vesícula biliar

Autor: 
Editores do Consumer Guide

Os especialistas afirmam que algumas colecistopatias podem ser evitadas, e a dieta parece ter um papel importante. A composição da bile afeta bastante o risco de desenvolver cálculos na vesícula. E o que você come influencia a composição da bile.

Quando a dieta não é o bastante

Os médicos usam uma série de tratamentos para dar um certo alívio à colecistopatia crônica, mas o tratamento padrão é a remoção do órgão.

Uma vez que a vesícula é retirada, a bile passa a sair do fígado para o intestino delgado, em vez de ser armazenada na vesícula biliar. A maioria das pessoas pode voltar à dieta normal após a retirada da vesícula.

A ligação mais forte da dieta está relacionada a comer muito. A pesquisa descobriu que, pelo menos nas mulheres, quanto maior for o peso maior será o risco de cálculo biliar. Embora a perda de peso possa diminuir o risco a longo prazo, você precisa fazê-lo lentamente. Ironicamente, o emagrecimento rápido pode ser um fator de risco para a formação de cálculo biliar.

Dietas muito pobres em gordura também podem ser arriscadas. Sem gordura suficiente para estimulá-la, a vesícula biliar fica inativa, possibilitando a formação de pedras. Alguns estudos descobriram um risco menor de cálculos biliares em pessoas que consomem alimentos ricos em gorduras monoinsaturadas (óleos de oliva e canola) ou em ácidos graxos ômega 3 (óleos de canola, linhaça e peixe).

Embora haja algumas especulações sobre o fato de que comer gordura ajuda a melhorar a liberação de colesterol e a bile do fígado, algumas pessoas com cálculos biliares sentem desconforto após refeições gordurosas. Ninguém melhor do que você para saber o que desencadeia seus sintomas e ficar longe dos alimentos que lhe causam problemas.

As dietas ricas em fibras parecem oferecer certa proteção contra cálculos biliares. E um pequeno efeito protetor foi observado em mulheres que comem verduras com freqüência. Uma pesquisa preliminar sugere outros alimentos que podem oferecer proteção, como o álcool em pequena quantidade (36 ml por dia), alimentos com vitamina C e café (duas a quatro xícaras por dia). Exercícios regulares também podem diminuir o risco de cálculo biliar. Embora o colesterol seja o principal componente das pedras, a quantidade em sua dieta provavelmente tem pouco efeito sobre a chance de você desenvolver cálculos biliares.

A seguir, listaremos os alimentos que são uma boa opção na sua dieta para diminuir ou controlar a colecistopatia.

Alimentos ricos em fibra:
pães e cereais integrais, verduras, frutas e legumes.

Os alimentos ricos em vitamina C podem ajudar a proteger contra os cálculos biliares.
Alimentos ricos em vitamina C podem ajudar a proteger contra os cálculos biliares

As pessoas a seguir contribuíram para esse artigo:

Betsy A. Hornick, M.S., R.D., é nutricionista registrada, especialista em educação nutricional e comunicação. Ela colaborou para várias publicações sobre educação da saúde e nutrição para consumidores e profissionais da saúde, incluindo Weight Loss Bible The Healthy Beef Cookbook e vários materiais publicados pela American Dietetic Association. Ela colabora regularmente para a revista Diabetic Cooking. Eric Yarnell, N.D., R.H. (A.H.G.), é médico naturopata e botânico em clínica particular especializada em urologia e saúde do homem. Ele é professor assistente no departamento de medicina botânica na Universidade Bastyr, em Seattle, e presidente da Botanical Medicine Academy. É co-autor de vários livros-texto, incluindo Naturopathic Gastroenterology, Naturopathic Urology and Men's Health e Clinical Botanical Medicine e escreve uma coluna sobre fitoterapia para Alternative and Complementary Therapies.

Esses dados são apenas informativos. ELES NÃO TÊM O OBJETIVO DE PROPORCIONAR ORIENTAÇÃO MÉDICA. Nem os editores de Consumer Guide (R), Publications International, Ltd., nem o autor, nem a editora se responsabilizam por quaisquer conseqüências possíveis oriundas de tratamento, procedimento, exercício, modificação alimentar, ação ou aplicação de medicação resultante da leitura ou aplicação das informações aqui contidas. A publicação dessas informações não constitui prática de medicina e elas não substituem a orientação de seu médico ou de outros profissionais da área médica. Antes de se submeter a qualquer tratamento, o leitor deve procurar atendimento médico ou de outro profissional da área da saúde.