Teste da hemoglobina glicada A1c

Autor: 
Timothy Gower

Pode ser que você comece a conhecer as pessoas do laboratório perto da sua casa pelo primeiro nome, pois seu médico pedirá que você passe por um procedimento lá quase mensalmente, chamado teste de A1c. Agora existem também versões desse teste para uso doméstico.

Como você já sabe, ao respirar, o oxigênio entra em seus pulmões. Os pulmões, por sua vez, cedem moléculas de oxigênio para os glóbulos vermelhos. Como os caminhões da FedEx - que fazem entregas, os glóbulos vermelhos fornecem oxigênio para as células de todos os tecidos do corpo, que precisam do O2 para produzir energia. Cada um desses "caminhões" possui um compartimento especial para carregar oxigênio: a proteína chamada hemoglobina.

As moléculas de glicose adoram se juntar a proteínas (processo chamado glicação), e a hemoglobina não é uma exceção. Quando a glicose e a hemoglobina se juntam, o resultado é a hemoglobina glicada ou glicoemoglobina. Quanto mais glicose você tem no sangue, mais hemoglobina glicada ou seja, hemoglobina ligada à glicose, haverá no seu sangue. A hemoglobina glicada é abreviada como hemoglobina A1c. O teste da hemoglobina glicada (A1c)mede a quantidade de hemoglobina glicada no sangue. O teste é comumente chamado de hemoglobina glicada ou hemoglobina A1c ou teste de HbA1c. Há diversos tipos de hemoglobina glicada: o tipo A1c é o mais fácil de se medir e menos provável de ser influenciado pelo que você ingeriu de alimentos na noite anterior.

Mas por que medir esse pacotinho de açúcar e proteína se é mais fácil medir apenas o nível de açúcar no sangue? O teste de açúcar no sangue (conheciso como glicemia) que você faz em casa fornece uma idéia instantânea sobre seu controle da glicose naquele exato momento. No entanto, o teste de hemoglobina glicada fornece um registro ou histórico, proporcionando a seu médico uma idéia de como você tem controlado a glicose em média nos últimos meses.

A maioria dos especialistas recomendam que os diabéticos façam o teste de A1c no mínimo duas vezes por ano. Publications International, Ltd.
A maioria dos especialistas recomenda que os diabéticos façam o teste de A1c no mínimo duas vezes por ano

É uma boa idéia, não? Mas como isso acontece? Os glóbulos vermelhos, também chamados de hemáceas, possuem vida útil de dois a três meses, então seu corpo está constantemente produzindo novos glóbulos vermelhos, para substituir os que são retirados da circulação pelo baço. A qualquer momento, você possui glóbulos vermelhos novinhos em folha, outros que estão lá há alguns dias ou semanas e mais alguns que estão prontos para retirados da circulação. Quando a hemoglobina em um glóbulo vermelho se liga a uma molécula de glicose, ela permanece para sempre ligada à glicose, até que seja retirada da circulação pelo baço. Por isso, o teste de A1c mede hemoglobina nova, de meia idade e antiga, indicando que porcentagem da hemoglobina se ligou à glicose (açúcar) nos últimos 3 meses.

A maioria dos especialistas sugerem fazer um teste da hemoglobina glicosilada no mínimo duas vezes por ano. Também é uma boa idéia fazer o teste antes de uma mudança no tratamento, para que você possa comparar os resultados em uma próxima consulta antes e depois da mudança. Porém, não dispense seu medidor de glicose ou livro de controle. Atualmente os aparelhos de medir glicose possuem uma memória que permite a estocagem dos resultados sem necessidade de um caderno de controle. De qualquer forma, você ainda precisa medir a glicose diariamente para atualizar a situação de seu açúcar no sangue. Seu livro de controle não só fornece informações sobre variações diárias do nível de glicose, mas compara os resultados de um teste de hemoglobina glicada (A1c) com as médias que você registrou no seu livro de controle, permitindo uma comparação entre o seu medidor de glicose e a hemoglobina glicada.

Pessoas que não têm diabetes geralmente possuem 5% de hemoglobina glicada. Em uma pessoa com diabetes não controlada, o número pode subir até mais de 20%. Você, obviamente, deseja manter a sua o mais próximo possível do normal, para evitar as complicações que o alto nível de açúcar no sangue pode causar em longo prazo. A Associação Norte-americana de Diabetes (American Diabetes Association) recomenda um resultado inferior a 7% no A1c, embora seu médico o parabenizará se você conseguir mantê-lo num nível ainda mais baixo.

Para mais informações sobre açúcar no sangue e diabetes, acesse os links abaixo.

SOBRE O AUTOR: Timothy Gower é escritor freelance e autor de diversos livros. Seu trabalho já apareceu em vários jornais e revistas, como Prevention, Health, Reader's Digest, Better Homes and Gardens, Men's Health, Esquire, Fortune, The New York Times e The Los Angeles Times.

SOBRE OS CONSULTORES

Dana Armstrong, nutricionista registrada especializada em dietas e especialista certificada em dietética, é graduada em Nutrição e Dietética pela Universidade da Califórnia, Davis, e concluiu sua especialização em dietética no University of Nebraska Medical Center em Omaha. Ela desenvolveu programas educacionais que já beneficiaram mais de 5 mil pacientes diabéticos. Especialista em abordagens para tratar doenças, dá palestras por todo o país, especificamente sobre a diabetes.

Dr. Allen Bennett King, F.A.C.P., F.A.C.E., C.D.E., F.A.C.E., educador certificado de diabetes é autor de mais de 50 trabalhos sobre ciência médica e dá palestras em todo país sobre novos avanços da diabetes. Ele é professor clínico associado do University of California Natividad Medical Center e co-fundador e diretor médico do Diabetes Care Center in Salinas, Califórnia.

Essas orientações têm caráter apenas informativo. ELES NÃO TÊM O OBJETIVO DE PROPORCIONAR ORIENTAÇÃO MÉDICA. Nem os editores de Consumer Guide (R), Publications International, Ltda., nem o autor e nem a editora se responsabilizam por quaisquer conseqüências possíveis oriundas de qualquer tratamento, procedimento, exercício, modificação alimentar, ação ou aplicação de medicação resultante da leitura ou aplicação das informações aqui contidas. A publicação dessas informações não constitui prática de medicina, e elas não substituem a orientação de seu médico ou de outros profissionais da área médica. Antes de se submeter a qualquer tratamento, o leitor deve procurar atendimento médico ou de outro profissional da área de saúde.