Como funcionam os soluços

Autor: 
Melissa Jeffries

hiccups
Fotógrafo: Spauln | Agência: Dreamstime 
Você pode acabar com um ataque
­ de soluço prendendo a respiração

Todos nós já fomos atormentados por soluços em algum momento da vida. Esses espasmos irritantes podem tornar quase impossível conversar, comer ou até mesmo pensar. A maioria das pessoas soluça de quatro a sessenta vezes por minuto durante um ataque de soluços, e todas elas têm um padrão específico de soluço que dura por toda a vida [fonte: eMedicine - em inglês].

­­Um ataque de soluços comum pode durar de alguns minutos até algumas horas, mas determinadas pessoas sofrem episódios que se prolongam por dias, meses ou até anos. Os que duram mais de 48 horas são chamados de soluços persistentes, e se permanecem por mais de um mês, se chamam soluços intratáveis. Os dois tipos podem causar sérios problemas de saúde e, em alguns casos, até a morte.

Para muitos de nós, os soluços começaram no útero. A teoria da recapitulação propõe que os fetos usam soluços para respirar antes de seus ­pulmões estarem completamente desenvolvidos. Isso pode ajudar na explicação do porquê recém-nascidos prematuros passam até 2,5% do tempo soluçando, mais do que bebês que tiveram uma gestação normal [fonte: eMedicine - em inglês].

À medida que envelhecemos, as crises de soluços diminuem. A hora mais propensa para soluçar é no início da noite. As mulheres podem soluçar mais durante as duas primeiras semanas do ciclo menstrual, então mulheres grávidas tendem a soluçar bem menos.

Por que soluçamos? A comunidade científca debate esse assunto há décadas. Leia este artigo para descobrir o que acontece durante um soluço, ver as mais importantes teorias em relação aos soluços, saber como começam e como acabar com eles.

O hall da fama dos soluços
Soluços persistentes ou intratáveis são mais comuns em homens do que em mulheres e tendem a ocorrer durante a fase adulta. Charles Osborne, que soluçou por 68 anos (1922-1990), ganhou o título de Ataque de Soluços mais Longo no Guinness Book, o Livro dos Recordes. Neste ano, uma adolescente da Flórida chamada Jennifer Mee soluçou por cinco longas semanas e ainda voltou a soluçar algumas semanas depois (no momento ela não está mais soluçando). Outra residente da Flórida, Jaime Molisee, soluçou por mais de oito meses. David Willis, da Irlanda do Norte, se submeteu a duas cirurgias (sem sucesso) na tentativa de acabar com o martírio de soluçar por cinco anos.

­