Infecção viral ou bacteriana

Autor: 
Marshall Brain

Quando um vírus ou bactéria (conhecidos genericamente como germes) invade o seu corpo e se reproduz, normalmente causa problemas. Geralmente, a presença do germe produz algum efeito colateral que faz com que você fique doente. Por exemplo, as bactérias estreptocócicas (Streptococcus) liberam uma toxina que causa a inflamação da sua garganta. O vírus da pólio libera toxinas que destróem as células nervosas (geralmente levando à paralisia). Algumas bactérias são benignas ou benéficas (por exemplo, todos nós temos milhões de bactérias no intestino e elas ajudam a digerir a comida), mas muitas são perigosas quando entram no corpo ou na corrente sangüínea.

As infecções virais e bacterianas são, de longe, a causa mais comum de enfermidade para a maioria das pessoas. Elas causam doenças como resfriados, gripe, sarampo, caxumba, malária, AIDS, etc.


Imagem cedida pelo National Institute of Allergy and Infectious Diseases
Desenvolvimento do HIV, vírus causador da AIDS, em uma célula imunológica humana

A tarefa do sistema imunológico é proteger o corpo de infecções. Sua ação ocorre de 3 maneiras diferentes:

  1. O sistema imune cria uma barreira que impede que as bactérias e vírus entrem no seu corpo.
  2. Se uma bactéria ou vírus entra no corpo, o sistema imunológico tenta detectá-lo e eliminá-lo antes que se aloje e se reproduza.
  3. Se um vírus ou bactéria se reproduz e começa a causar problemas, seu sistema imunológico é responsável por eliminá-lo.

O sistema imunológico é responsável por outras tarefas importantes. Ele pode detectar o câncer nos estágios iniciais e, em muitos casos, eliminá-lo.

Bactérias e vírus
Seu corpo é um organismo multicelular composto talvez de 100 trilhões de células. As células no seu corpo são aparelhos relativamente complicados. Cada uma tem um núcleo, um equipamento de produção de energia etc. As bactérias são organismos muito mais simples, com apenas uma célula e sem núcleo. Elas têm, talvez, um centésimo do tamanho de uma célula humana e podem ter 1 micrômetro de comprimento. As bactérias são completamente independentes, capazes de comer e se reproduzir - são como peixes nadando no oceano do seu corpo. Em condições ideais, as bactérias se reproduzem bem rapidamente: uma vez que a cada 20 ou 30 minutos uma bactéria se divide em 2; nessa velocidade, uma bactéria pode se transformar em milhões em apenas poucas horas.

O vírus pertence a uma linhagem totalmente diferente. Ele não é considerado vivo, ou seja, uma partícula viral nada mais é do que um fragmento de DNA dentro de uma cápsula protetora. O vírus entra em contato com a célula, se liga à parede celular e injeta seu DNA (e talvez algumas enzimas) dentro dela. O DNA usa o mecanismo que há dentro da célula viva para reproduzir novas partículas virais. Finalmente, a célula que foi invadida morre e se rompe, liberando as novas partículas de vírus; ou as partículas virais desenvolvem-se e são liberadas em forma de vesículas ou brotos; neste caso, é muito provável que a célula continue viva. Nos dois casos, a célula é uma fábrica de vírus.