Problemas na parte superior do sistema digestivo

Com todos os passos envolvidos, é evidente que haverá alguns obstáculos no caminho à digestão. Muitos dos problemas digestivos a seguir podem parecer relativamente inofensivos, mas aproximadamente 14 milhões de pessoas acabam hospitalizadas, anualmente por conta deles [fonte: National Digestive Diseases Information Clearinghouse (em inglês)]. A lista completa é muito longa, por isso, discutiremos alguns sintomas mais comuns.

  • Arroto - algumas pessoas arrotam mais do que outras, mas o fator que gera o arroto é o mesmo: ar. Ao se consumir bebidas com gás ou engolir ar ao comer, o ar se acumula no estômago e logo volta pelo esôfago e sai pela boca. Três ou quatro arrotos depois de uma refeição são considerados normais - mais do que isso pode indicar um problema de saúde, como uma úlcera.
  • Vômito - é a forte expulsão do conteúdo do estômago através do esôfago, geralmente forçada pelos músculos abdominais. Uma das razões mais comuns para o vômito é a existência de bactérias externas que pegaram carona na sua comida. Como elas irritam o sistema gastrointestinal, o cérebro recebe um sinal e o vômito começa. As infecções estomacais virais não são diferentes - podem causar vômitos durante dias, até que o vírus saia do corpo. Outro motivo para o vômito é a alergia alimentar, como a intolerância à lactose. Se o próprio alimento não for o problema, tome cuidado para não comer demais, porque essa é outra causa bastante comum do vômito.
  • Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) - aproximadamente 22 milhões de norte-americanos apresentam os sintomas dessa doença digestiva crônica, que causa mais de 700 mil hospitalizações por ano. No Brasil a DRGE também é bastante comum. As pessoas que sofrem de DRGE normalmente têm o esfíncter esofágico preguiçoso (a válvula que liga o estômago e o esôfago). O esfíncter preguiçoso permite que o conteúdo ácido do estômago volte pelo esôfago, o que chamamos de refluxo. A presença desse ácido no esôfago provoca uma sensação de queimação no peito, mais conhecida como azia [fonte: National Digestive Diseases Information Clearinghouse (em inglês)].
  • Úlceras pépticas - essencialmente, uma úlcera péptica é um buraco no revestimento do estômago ou na primeira parte do intestino delgado. Antes considerada uma reação ao estresse, hoje, sabe-se que é causada por uma bactéria chamada Helicobacter pylori ou por certos medicamentos, como os antiinflamatórios, que enfraquecem a mucosa protetora do estômago e permitem a ação corrosiva do ácido.
  • Infecção estomacal - não é por acaso que uma doença que envolve cólica, dor abdominal, diarréia e vômito seja chamada de "infecção". Isso porque a maioria das infecções gastrointestinais é causada por bactérias, vírus e parasitas indesejáveis. Os nomes desses pequenos germes dependem do lugar onde você vive, mas entre eles estão a  salmonella, a shigella, o E. coli e o parasita giárdia.
  • Intolerância à lactose - a intolerância à lactose, que afeta até 50 milhões de norte-americanos, é a incapacidade de digerir o açúcar encontrado no leite [fonte: National Digestive Diseases Information Clearinghouse (em inglês)]. Se você tiver intolerância à lactose, seu sistema digestivo não produzirá quantidade suficiente da enzima lactase, encontrada no intestino delgado. Dessa forma, ela não decomporá o leite em açúcares mais simples que o corpo consegue digerir. As pessoas que sofrem de intolerância sentem náusea (de leve a grave), cólica, inchaço, gases ou diarréia, geralmente de 30 minutos a duas horas após o consumo de um produto derivado do leite.

Falamos da garganta, do estômago e até um pouquinho do intestino delgado. Mas boa parte dos problemas também ocorre abaixo do estômago. Na próxima seção, discutiremos os problemas digestivos mais comuns que ocorrem nessa região.