Sintomas da hipoglicemia

Autor: 
Timothy Gower

A hipoglicemia, ou baixo nível de açúcar no sangue, é um risco para qualquer diabético. Entretanto, é mais comum entre os pacientes que usam insulina ou medicamentos que estimulam a produção da insulina, incluindo sulfoniluréias e meglitinidas. Pense na hipoglicemia quando perceber alguns dos sintomas abaixo:

  • fome excessiva
  • nervosismo
  • tremedeira ou desequilíbrio
  • transpiração sem motivo aparente
  • ansiedade
  • fraqueza, perda de coordenação
  • tontura
  • sonolência
  • confusão
  • dificuldade para falar
  • visão embaçada
Foto de um homem transpirando­
2007 Publications International, Ltda.
A transpiração excessiva sem motivo aparente é um sintoma da hipoglicemia

Se um dos sintomas a seguir ocorrer à noite, é possível que os níveis de açúcar no sangue estejam baixos:

  • pesadelos;
  • acordar com o pijama ou as roupas de cama molhados de suor (verifique seus níveis de glicose no sangue se a transpiração puder ser associada à perimenopausa);
  • pela manhã, se sentir cansado, confuso ou irritado, ou acordar com dor de cabeça.

Se ainda tiver os sintomas após comer algum alimento doce ou tomar uma pílula ou suplemento de glicose, vá a um pronto-socorro imediatamente ou ligue para uma ambulância. Você pode estar hipoglicêmico. Veja a seguir o que você deve fazer.

  1. Confirme os níveis de açúcar no sangue. Se estiverem acima de 70 mg/dl, está tudo normal, mas pense no que pode estar fazendo você se sentir estranho. Se o nível estiver 70 mg/dl ou menos, você está com hipoglicemia. Se você não puder verificar os níveis de açúcar, mas suspeitar de que esteja muito baixo, aja com cautela e tome algumas medidas. Consuma 15 g de açúcar comum (uma colher de sopa).
  2. Espere 15 minutos e verifique novamente os níveis de açúcar no sangue. Se estiverem acima de 70 mg/dl, a crise foi evitada. Se ainda estiver abaixo de 70 mg/dl, consuma mais 15 g de açúcar.
  3. Espere 15 minutos e verifique novamente os níveis de açúcar. Se estiverem acima de 70 mg/dl e faltar ainda 30 min (alguns especialistas dizem 1 h) para sua próxima refeição, consuma algum alimento que contenha carboidrato, proteína ou gordura.
  4. Se os níveis de açúcar não ficarem acima de 70 mg/dl, vá repetindo o processo até que fique. Se insistir em permanecer baixo, chame um médico ou vá a um pronto-socorro.

Procure informar familiares, amigos e colegas de trabalho sobre os sintomas da hipoglicemia porque você pode não conseguir percebê-los a tempo, seu estado pode piorar de tal forma que você não conseguirá fazer nada sozinho. Certifique-se de que eles saberão o que fazer - e o que não fazer - se você não conseguir engolir ou estiver inconsciente, ou se for incapaz de tratar sua hipoglicemia por qualquer outro motivo.

  • Eles devem aplicar-lhe uma injeção de glucagon imediatamente, mesmo que não haja certeza de que seus níveis de açúcar no sangue estejam baixos.
  • Devem ligar para uma ambulância se o glucagon não aliviar os sintomas.
  • Não devem tentar administrar insulina ou outro medicamento para diabetes.
  • Não devem tentar alimentá-lo.

Para obter mais informações sobre hipoglicemia, diabetes e tópicos relacionados, acesse os links a seguir.

  • Para obter mais informações sobre a hipoglicemia, incluindo tratamento, causas e diagnóstico, confira o artigo sobre Hipoglicemia.
  • Para saber sobre o teste de níveis de açúcar no sangue, por que fazê-lo e sobre o equipamento para medir os níveis de glicose, leia o artigo Açúcar no sangue.
  • Para saber mais sobre os medicamentos para diabetes que podem provocar hipoglicemia, leia Tratamento para diabetes.
  • Para obter mais informações sobre a diabetes em geral, seja sobre o tipo 1 ou tipo 2, leia o artigo Como funciona a diabetes.
  • Para saber sobre a hiperglicemia, o oposto da hipoglicemia, confira o artigo sobre Hiperglicemia.

Sobre o autor: Timothy Gower é um escritor freelancer e autor de vários livros. Seu trabalho apareceu em várias revistas e jornais, incluindo Prevention, Health, Reader's Digest, Better Homes and Gardens, Men's Health, Esquire, Fortune, The New York Times, and The Los Angeles Times.

Sobre os consultores: Dana Armstrong, nutricionista registrada, educadora certificada sobre diabetes, se formou em nutrição e dietética na Universidade da Califórnia, em Davis, e completou sua residência em nutrição no Centro Médico da Universidade do Nebraska, em Omaha. Em consultas particulares, durante 21 anos, ela desenvolveu programas educacionais que beneficiaram mais de 5 mil pacientes com diabetes. Ela é a co-fundadora e diretora de programa do Diabetes Care Center em Salinas, Califórnia.

Allen Bennett King, membro da Academia Americana de Médicos, Membro da Academia Americana de Epidemiologia, Educador Certificado sobre Diabetes, se formou e fez residência na Universidade da Califórnia, Berkeley; na Escola de Medicina da Universidade de Creighton; no Centro Médico da Universidade do Colorado e no Centro Médico da Universida de Stanford. Ele é o autor de mais de 50 trabalhos em ciência médica e fala nacionalmente sobre os novos avanços no diabetes.

Esses dados são apenas informativos. ELES NÃO TÊM O OBJETIVO DE PROPORCIONAR ORIENTAÇÃO MÉDICA. Nem os editores de Consumer Guide (R), Publications International, Ltda., nem o autor e nem a editora se responsabilizam por quaisquer conseqüências possíveis oriundas de qualquer tratamento, procedimento, exercício, modificação alimentar, ação ou aplicação de medicação resultante da leitura ou aplicação das informações aqui contidas. A publicação dessas informações não constitui prática de medicina, e elas não substituem a orientação de seu médico ou de outros profissionais da área médica. Antes de se submeter a qualquer tratamento, o leitor deve procurar atendimento médico ou de outro profissional da área da saúde.