Como os tipos sangüíneos são determinados?

Um grupo sangüíneo ou tipo sangüíneo se baseia na presença ou ausência de duas proteínas (A e B) na superfície das células vermelhas do sangue. Como duas proteínas estão envolvidas, há quatro combinações possíveis, ou seja, quatro tipos sangüíneos (grupos ABO):

  • tipo A - apenas a proteína A está presente;
  • tipo B - apenas a proteína B está presente;
  • tipo AB - ambas as proteínas estão presentes;
  • tipo O - nenhuma das proteínas está presente (aproximadamente 40% da população).

Além das proteínas A e B, há outra proteína envolvida chamada fator Rh (Rh para macaco Rhesus, onde ela foi primeiramente identificada). O fator Rh ou está presente (+), ou está ausente (-). Então, os tipos sangüíneos são descritos como tipo e fator Rh (como O+ , A+, AB-).

Distribuição de tipos sangüíneos nos EUA
  • O +
    38% da população
  • A +
    34% da população
  • B +
    9% da população
  • O -
    7% da população
  • A -
    6% da população
  • AB +
    3% da população
  • B -
    2% da população
  • AB -
    1% da população

Há três formas do gene (alelos) que controlam o grupo sangüíneo, que são designados como iA, i B e i. Você tem dois alelos (um da sua mãe, e um do seu pai), que são referidos como seus genótipos. A herança dos alelos é co-dominante, o que significa que, se o alelo está presente, ele se expressa (veja Como funcionam as heranças genéticas para mais informações). Os seguintes genótipos produzirão estes tipos sangüíneos:

  • iAiA ou iAi - ambos genótipos produzem a proteína A (tipo A);
  • iBiB ou iBi - ambos genótipos produzem a proteína B (tipo B);
  • iAiB - este genótipo produz as proteínas A e B (tipo AB);
  • ii - este genótipo não produz proteína (tipo O).

Então, seu tipo sangüíneo não diz exatamente quais alelos você tem. Por exemplo, uma pessoa com sangue tipo A pode ter dois alelos iA ou um alelo iA e um alelo i. É possível para dois pais com o mesmo tipo de sangue (A ou B), ter um filho com sangue tipo O. Nesse caso, ambos os pais deveriam ter um genótipo misto, como um alelo i junto com ou um alelo iA ou um iB.

Tipos sangüíneos são determinados pela colocação de três gotas de sangue isoladas numa placa de vidro no microscópio. Sobre a primeira gota de sangue, adiciona-se uma gota de solução anticorpo à proteína A (anti-A). Sobre a segunda, adiciona-se uma gota de solução anticorpo à proteína B. E sobre a terceira, adiciona-se uma gota de solução anticorpo ao fator Rh. As gotas de sangue e anticorpo são misturadas e examinadas para ver se formaram coágulos e o tipo sangüíneo é determinado. Coágulos significam que uma proteína particular (A, B, Rh) está presente. Por exemplo, coágulos no anti-A e anti-Rh, mas não no anti-B, indicaria que é uma pessoa com sangue tipo A+.

Tipos sangüíneos são importantes para doar sangue de uma pessoa para outra (transfusão). Os tipos sangüíneos devem ser combinados. Se não combinarem devidamente, o receptor formará coágulos (massas de sangue) em resposta ao sangue do doador. Os coágulos levarão a ataques cardíacos, embolismos e derrames (reações a transfusões). Os dois tipos sangüíneos são especiais:

  • tipo O- : chamado de doador universal, pois pode ser doador para qualquer pessoa; não tem proteínas para causar coágulos;
  • tipos AB+ : chamado receptor universal, pois tem todas as proteínas e assim não formará coágulos.

Finalmente, o fator Rh é importante para a mulher gestante. Se um homem Rh+ e uma mulher Rh- têm um bebê, o bebê pode ser Rh+ ou Rh-, dependendo do genótipo do pai. Se o bebê for Rh+, isto pode causar problemas. No útero, algumas células sangüíneas do bebê cruzarão da placenta para a corrente sangüínea da mãe. A mãe fabricará anticorpos para as células Rh+. Se a mulher engravidar novamente e o bebê for Rh+, o anticorpo anti-Rh da mãe cruzarão para a corrente sangüínea do bebê e destruirão suas células sangüíneas, o que poderá matar o bebê. Se diagnosticado no princípio, é possível salvar o bebê sob tais circunstâncias, substituindo o sangue da mãe por transfusões livres de anticorpos Rh. Se esta situação for conhecida, é possível também tratar uma mulher Rh- com anticorpos anti-Rh (RhoGam), imediatamente após o nascimento do bebê, para inativar as células Rh+ do bebê e prevenir a mãe de formar anticorpos anti-Rh (desensibilizando-a).

Aqui estão alguns links interessantes: