Prevenção de infecções estreptocócicas

Autor: 
Laurie L. Dove

Apague o incêndio da sua garganta indo ao médico e fazendo uma cultura de garganta. Se os resultados dos exames mostram infecções estreptocócicas, você pode se livrar delas de maneira bem rápida usando antibióticos receitados por seu médico.

Princípios sobre as infecções estreptocócicas

As infecções estreptocócicas são causadas pela bactéria Streptococcus pyogenes (grupo A Streptococcus). Embora a garganta inflamada seja um sintoma revelador da infecção estreptocócica, nem todas as inflamações de garganta são causadas por essa infecção bacteriana. Na verdade, a maioria das inflamações de garganta são resultantes de infecções por vírus.

Outros sintomas de infecção estreptocócica são feridas brancas e vermelhas na garganta, dor na parte inferior do estômago, febre, desconforto geral, mal-estar ou indisposição, perda de apetite; náuseas; dificuldade de engolir; nódulos linfáticos sensíveis ou inchados no pescoço, amígdalas avermelhadas e aumentadas, dor de cabeça e uma erupção que é freqüentemente pior debaixo dos braços e nas dobras de pele (escarlatina).

A infecção estreptocócica responde rapidamente aos antibióticos. Embora a doença seja relativamente comum, isso não significa que ela não seja perigosa. A infecção estreptocócica não tratada pode levar à febre reumática grave, embora isso só aconteça em casos raros.

Quem corre riscos de contrair a infecção estreptocócica?

Qualquer pessoa pode contrair a infecção estreptocócica, mas ela é mais comum em crianças entre 5 e 15 anos. Cuidado com a doença durante o período escolar, especialmente durante os meses de inverno, quando grandes grupos de crianças e adolescentes ficam em locais fechados. Seu médico precisará diagnosticar a infecção estreptocócica usando um teste laboratorial, como uma cultura de garganta.

Medidas defensivas

A maneira mais eficiente de se manter longe da infecção estreptocócica é lavar muito bem as mãos (ou, pelo menos, usar um sabão líquido antibacteriano) e passar essa prática a seus filhos. A bactéria que causa a infecção estreptocócica fica no nariz e na garganta, podendo ser transmitida por meio de tosses e espirros. 

Evitando a infecção estreptocócica
2006 Publications International, Ltd.
Afaste-se da infecção estreptocócica lavando suas mãos com freqüência

Se alguém de sua família for infectado pela infecção estreptocócica é possível tomar alguns cuidados (além de lavar as mãos com freqüência) em casa para evitar que mais alguém contraia a doença:

  • não permita que a pessoa doente compartilhe bebidas, alimentos, guardanapos, tecidos ou mesmo toalhas com outros membros da família;
  • certifique-se de que a pessoa doente cubra boca e nariz com um lenço de papel ao tossir e espirrar e, em seguida, jogue-o fora para evitar contágio;
  • mantenha utensílios como pratos e copos da pessoa doente separados dos utensílios das outras pessoas da casa;
  • lave muito bem os utensílios após cada uso. Se utilizar uma lavadora de louças, selecione as opções "higienizar", "secar a quente" e/ou similares;
  • nunca compartilhe a escova de dentes;
  • não beije ninguém com infecção estreptocócica.

Não deixe que as infecções de garganta derrubem você. Independente de estar lutando contra herpes labial, mononucleose ou infecção estreptocócica, as medidas descritas neste artigo irão ajudar a cortar o mal pela raiz. Também tome nota das sugestões para evitar a doença e manter sua família saudável e feliz.

Publications International, Ltd.

SOBRE A AUTORA: Laurie L. Dove é uma jornalista e escritora premiada que mora no Kansas, EUA, cujo trabalho foi publicado em outros países. Uma dedicada defensora do consumidor, Dove se especializou em escrever sobre saúde, educação de filhos, boa forma e viagens. Membro ativa da National Federation of Press Women, Dove também é a antiga proprietária de uma revista para pais e de um jornal semanal.

Esses dados são apenas informativos. ELES NÃO TÊM O OBJETIVO DE PROPORCIONAR ORIENTAÇÃO MÉDICA. Nem os editores de Consumer Guide (R), Publications International, Ltda., nem o autor e nem a editora se responsabilizam por quaisquer conseqüências possíveis oriundas de qualquer tratamento, procedimento, exercício, modificação alimentar, ação ou aplicação de medicação resultante da leitura ou aplicação das informações aqui contidas. A publicação dessas informações não constitui a prática da medicina e não substituem o atendimento de seu médico ou de qualquer outro profissional de saúde. Antes de se submeter a qualquer tratamento, o leitor deve procurar atendimento médico ou de outro profissional da área da saúde.