Carrapatos

Autor: 
Shanna Freeman

Doença de Lyme e febre das Montanhas Rochosas

Muitos carrapatos portam uma bactéria que causa a doença de Lyme. A
doença inicialmente causa fraqueza muscular, depressão, dores de
cabeça, febre e uma erupção circular em torno do local da mordida. Se
não for tratada, a infecção se espalha pela corrente sanguínea e pode
resultar em paralisia cerebral, meningite, inchaço do cérebro e perda
de funções motoras. Caso detectada em estágio inicial e tratada com
antibióticos, a doença causa apenas sintomas amenos. Mas esses sintomas
podem demorar até um ano até desaparecer completamente.

A febre das
Montanhas Rochosas
é outra infecção causada por carrapatos. A despeito
do nome, ocorre em quase todos os Estados dos Estados Unidos. Os
sintomas incluem dores musculares, dores de cabeça e febres, seguidos
por erupções cutâneas avermelhadas em todo o corpo. O diagnóstico pode
ser difícil, já que nem todos os pacientes sofrem das erupções. Caso
não seja identificada devidamente e tratada com antibióticos, a doença
pode causar danos de longo prazo a órgãos e requerer amputação, bem
como causar problemas de audição e paralisia parcial. Uma pequena
proporção dos pacientes de febre das Montanhas Rochosas morrem das
complicações causadas pela doença.

Os carrapatos são pequenos aracnídeos (ou seja, parentes das aranhas), e se alimentam das mesmas espécies de animais que as pulgas – mamíferos e pássaros [fonte: Illinois Department of Public Health - em inglês]. A maioria das espécies é menor que a cabeça de um fósforo, com corpos redondos e seis ou oito pernas. As mandíbulas afiadas do carrapato rompem a pele e ele insere um tubo de alimentação chamado hipostômio, para começar a refeição.

Diferentemente das pulgas, os corpos dos carrapatos se expandem quando eles se alimentam, de modo que não permanecem pequeninos. Quando um carrapato se instala, fica no corpo do hospedeiro até estar completamente repleto de sangue. Isso pode demorar até dois dias.

Animais de estimação e pessoas apanham carrapatos quando percorrem bosques, porque os carrapatos gostam de se pendurar de arbustos, plantas e gramíneas altas. Também vivem perto de fontes de água, de modo que possam atacar os mamíferos que surgem para beber. Sua mordida é em geral indolor, e em geral você não percebe que apanhou um carrapato até vê-lo em seu corpo [fonte: Illinois Department of Public Health - em inglês]. Se o seu animal de estimação apanhou um carrapato, este pode se transferir a você depois que estiver plenamente alimentado ou caso seu animal o remova ao se coçar.

É importante remover os carrapatos tão logo sejam avistados, porque eles podem causar doenças sérias (vide box nesta página) [fonte: MedlinePlus - em inglês].

Existem muitas lendas populares sobre as melhores maneiras de remover carrapatos, entre as quais passar vaselina no local ou segurar um fósforo quente contra o corpo deles. Na verdade, esses métodos podem agravar o problema porque levam o carrapato a injetar mais saliva na pele do seu hospedeiro. Em lugar disso, segure o corpo do carrapato o mais perto de sua pele que conseguir, usando pinças, e puxe firmemente.

Lave a área mordida com água e sabão e trate a coceira com medicamentos de venda livre [fonte: Illinois Department of Public Health - em inglês]. Caso não consiga remover o carrapato, procure um médico. O mesmo vale caso você tenha uma erupção circular em torno da área da mordida ou se sinta fraco ou nauseado ao remover o animal. Para prevenir carrapatos, use calças compridas e roupas de manga comprida ao caminhar pelos bosques, e recorra a repelente de carrapatos. Verifique a possível presença de carrapatos quando chegar em casa, e tome banho imediatamente.

Pronto para aprender mais sobre parasitas de pele? A seguir, uma das piores pragas para as escolas: o piolho.