Gastrosquise

A gastrosquise, que significa "fissura na barriga" em grego, normalmente é identificada por uma abertura de 2 a 4 centímetros no abdome do lado direito do cordão umbilical [fonte: Associação Americana de Pediatria Cirúrgica (em inglês)]. Embora seja menos grave que a onfalocele, a gastrosquise é perigosa e causa mortalidade em 15% dos casos [fonte: Engber (em inglês)]. A gastrosquise é o problema mais comum na parede abdominal e cerca de 40% dos bebês com o problema nascem abaixo do peso ou prematuramente [fonte: Associação Americana de Pediatria Cirúrgica (em inglês)].

Órgãos fora do corpo

No caso da gastrosquise, o intestino fica exposto, facilitando seu contato com o líquido amniótico quando o feto ainda está no útero. Quando isso acontece, uma rígida camada se desenvolve em torno do intestino, obstruindo o funcionamento intestinal do recém-nascido durante um período que pode chegar a meses.

model human organs
istockphotos/Robert Sanchez
Esta é a disposição normal dos órgãos de uma pessoa

Com a exposição de uma parte tão sensível do corpo, existe a possibilidade de complicações perigosas. Uma delas é chamada de atresia e acontece em 10% a 15% dos casos de gastrosquise [fonte: Associação Americana de Pediatria Cirúrgica (em inglês)].

Com a atresia, uma parte do intestino acaba não se formando, talvez devido a falta de irrigação sangüínea da área, ou ainda, porque o intestino se deformou e houve falência do órgão. Outra possível complicação inclui ruptura do intestino, perda de fluídos e nutrientes ou órgãos reprodutivos internos na parte externa do abdome.

Médicos utilizam a ultra-sonografia pré-natal para diagnosticar a gastrosquise. Quando o bebê nasce, os médicos imediatamente iniciam o tratamento do defeito congênito, administrando antibióticos para combater a infecção. O bebê também pode ser colocado em uma bolsa esterilizada que vai até o tórax e previne infecções perigosas. Se o abdome é grande o suficiente para receber os órgãos sobressalentes (na maioria dos casos não é), o orifício pode ser fechado cirurgicamente após o nascimento.

Em muitos casos, o abdome é muito pequeno. Assim um dispositivo chamado silo pré-formado é usado para reduzir a resistência dos intestinos gradualmente a fim de inseri-los de volta ao abdome. Depois, quando o bebê já tem algumas semanas de idade, os médicos fazem um cirurgia para fechar o orifício [fonte: Associação Americana de Pediatria Cirúrgica (em inglês)]. Se não houver outras complicações, o bebê tem boas chances de recuperação.

Na próxima página vamos analisar o defeito congênito mais grave envolvendo órgãos na parte externa do corpo.