O que é o mofo tóxico?

Autor: 
Joshua Clark

Em janeiro de 1993, um bebê (o primeiro de 27 casos), na região de Cleveland - Ohio, sofreu uma hemorragia pulmonar aguda. As crianças sangravam pelo nariz e seus pulmões foram infectados por uma doença desconhecida. Uma delas morreu. Foi feita uma investigação sobre o motivo desse terrível surto e descobriu-se que as casas onde viviam os bebês doentes haviam sofrido sérios danos causados pela água. Dentro dessas casas foi encontrado o fungo Stachybotrys chartarum (S. chartarum). Aparentemente, a infecção das crianças foi causada por um mofo tóxico.

Galeria de imagens de furacões (em inglês)

Fungo tóxico em Nova Orleans.
Robyn Beck/AFP/Getty Images
Casas que tiveram danos causados pela água são os candidatos mais prováveis à infestação do mofo, um problema que atormenta as famílias que vivem em Nova Orleans, como os LaCours, depois do furacão Katrina

O médico-legista do Condado de Cuyahoga examinou novamente todos os bebês que morreram na região entre 1993 e 1995, inclusive os que supostamente morreram em virtude da SMSI - síndrome da morte súbita infantil (em inglês). Seis crianças apresentaram tecido pulmonar com sinais de hemorragia. Ainda é necessário comprovar definitivamente que o mofo provocou a morte dos bebês. Mas o assunto é tão importante que médicos e profissionais da saúde pública de todo o mundo começaram a questionar: se esse mofo oferece risco à saúde, que extensão poderia ter o problema?

Embora o termo "mofo tóxico" seja sugestivo e alarmante, não é exatamente o mofo que é tóxico, mas os esporos que ele produz. S. chartarum e outros fungos, como Fusarium e Trichoderma, soltam esporos que possuem substâncias perigosas chamadas micotoxinas. Quando transportados pelo ar, eles podem ser inalados. Eles também podem ser absorvidos através da pele e dos intestinos. E, além dos esporos tóxicos, esses mofos também produzem gases que liberam micotoxinas.

Acredita-se que os esporos tóxicos causem irritações na pele, assim como inflamação pulmonar, e possam suprimir o sistema imunológico do corpo. Afirmou-se também que o mofo tóxico é responsável pela perda de memória e lesões cerebrais. Embora um tribunal tenha decidido em favor de tal afirmação, a medicina ainda precisa comprovar a ligação [fonte: White].

As micotoxinas podem prejudicar a saúde humana através da citotoxicidade - os esporos destroem as células vivas para diminuir a disputa por recursos. Assim, as células ficam sujeitas a ataque quando os esporos tóxicos, como os encontrados na superfície do S. chartarum, invadem o corpo. Isso poderia ter inúmeros efeitos na saúde das pessoas infectadas.

Não houve nenhuma prova definitiva de que os esporos do S. chartarum e de outros mofos criam sérios riscos à saúde das pessoas. Embora as micotoxinas possuam propriedades como citotoxicidade e provoquem impactos negativos nos tecidos vivos em laboratórios, a pesquisa sobre seus efeitos reais na saúde humana é relativamente nova. Mas a investigação sobre como as micotoxinas funcionam se tornou prioridade.

Motivadas pelas mortes dos bebês em Cleveland, no início da década de 90, organizações como o CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças) e a EPA - Agência de Proteção do Meio-Ambiente (em inglês) começaram a juntar provas e criar bancos de dados sobre os mofos tóxicos e sobre a maneira de combatê-los. Aprenda na próxima seção a proteger sua casa de fungos - tóxicos ou não.