Camisinha

Autor: 
Isabela Benseñor

A camisinha é, assim como o DIU e o diafragma, um método de barreira. Os métodos de barreira são aqueles que, como o próprio nome diz, criam uma barreira à penetração dos espermatozóides na vagina da mulher. Eles apresentam baixa eficácia de proteção contra a gravidez quando comparados a outros métodos, mas têm poucos efeitos sobre o corpo da mulher, ao contrário dos contraceptivos hormonais. Uma vantagem especial é que eles protegem contra as doenças sexualmente transmissíveis. A eficácia pode ser elevada em casais que sempre usam o método em todas as relações. Entretanto, não pode haver falhas.

A camisinha masculina ou feminina não pode ser utilizada por pessoas com alergia ao látex (o que é muito raro), ao lubrificante, que já vem junto com elas, ou ao espermicida. O diafragma pode comprimir a uretra e levar a infecções urinárias em algumas mulheres.

Nenhum dos métodos de barreira causa complicações sistêmicas, já que não envolvem hormônios. A camisinha masculina é vendida em vários lugares como farmácias e supermercados, sendo de fácil aquisição e preço baixo. Entretanto, todos os métodos de barreira  requerem grande colaboração por parte do casal.

Camisinha
Imagem cedida pelo Ministério da Saúde

Os efeitos indesejáveis desses métodos incluem, por exemplo, a ruptura da camisinha, a aplicação de espermicidas no intervalo de duas em duas horas, e a retirada do diafragma apenas seis horas após a relação sexual. Mudanças grandes de peso podem alterar o tamanho do diafragma que a mulher deve usar, exigindo visita ao medico. Por exemplo, a mulher que engravidou ou ganhou muito peso precisa reavaliar se pode usar o mesmo diafragma ou se há necessidade de mudança de tamanho.

Camisinha masculina

Está contra-indicada em parceiros com disfunção erétil. A camisinha deve ser inserida no pênis ereto e antes da penetração, deixando na sua extremidade um espaço para o sêmen que será eliminado. É preciso prestar atenção na hora de retirá-la para evitar ruptura ou vazamento do esperma. O melhor modo é apertar as bordas para evitar o vazamento.

Camisinhas masculinas não devem ser reutilizadas e também não devem ser usadas com outro lubrificante além do que já vem com o produto. O uso de lubrificantes oleosos aumenta o risco de ruptura e deve ser evitado.

Camisinha feminina

É feita de poliuretano e pode ser colocada pela mulher várias horas antes da relação. A camisinha precisa ficar na posição adequada porque apresenta dois anéis - um interno, que deve ser fixado em volta do colo do útero, e um externo, que deve ficar para fora do corpo da mulher, por isso não é tão simples colocá-la no lugar certo. A camisinha feminina, assim como a masculina, não deve ser reaproveitada. Ela não precisa ser retirada imediatamente após a relação. Uma de suas vantagens é que ela previne doenças sexualmente transmissíveis. Já a sua desvantagem é o preço - muito mais alto que o da camisinha masculina.

Camisinha feminina
Imagem cedida pelo Anticoncepção Online
Camisinha feminina