A planta

Autor: 
Kevin Bonsor

A história do uso da maconha é mais antiga do que muitos poderiam imaginar. O cultivo da Cannabis sativa data de milhares de anos atrás. O primeiro cultivo da cannabis referido por fontes escritas (usada como medicamento) é encontrado em relatos chineses do ano de 28 A.C., de acordo com o livro "Buzzed: The Straight Facts About the Most Used and Abused Drugs from Alcohol to Ecstasy" (Zunido: Os fatos diretos sobre as mais usadas e abusadas drogas desde o álcool até o ecstasy). Isso significa que as culturas chinesas cultivavam maconha há mais de 2 mil anos. No entanto, os autores do livro apontam que a planta era cultivada muito antes disso. Eles relatam a descoberta de uma múmia Egípicia, de quase 3 mil anos de idade, que continha certos traços de THC.


Imagem cedida pelo site Marijuana.com
A folha de maconha, com cinco a sete folhas presas a um ponto central

Produtos do cânhamo
A planta da maconha possui diversas utilidades. Sua haste rígida e cheia de fibras pode ser usada na preparação de vários produtos, desde alimentos até velas para navios. A haste é composta por duas partes - a casca e a entrecasca. A entrecasca fornece as fibras que podem ser utilizadas em diversos tecidos. Estas fibras (também chamadas de cânhamo) são utilizadas na produção de lonas, que foram usadas como velas de navios por séculos.

A casca produz a polpa necessária para a fabricação de papel, óleos para a produção de tintas e vernizes e sementes para a alimentação. A planta da maconha produz sementes com muitas proteínas e carboidratos, que são usadas em cereais e granolas. Tanto o óleo quanto as sementes do cânhamo possuem poucas substâncias químicas psicoativas. Clique aqui para aprender mais sobre o cânhamo e sua utilidade.

Possuir produtos com referência ao cânhamo, como cordões ou camisetas, é legal. No entanto, cultivar ou possuir maconha como planta ou em sua versão narcótica, é ilegal nos Estados Unidos. A posse da planta cannabis ou das sementes de maconha resulta em multas e até mesmo em prisões.

A cannabis sativa é, talvez, a planta mais facilmente reconhecida no mundo. Imagens da inconfundível folha verde da cannabis aparecem nos noticiários, em textos e na literatura referente ao combate às drogas. O formato da folha é aproveitado em jóias, como acessório automotivo e de vestuário e pintado nas paredes. As folhas irradiam de um ponto central, como os dedos de uma mão. Mesmo que a grande maioria das pessoas saiba a aparência desta planta, poucos devem saber sobre sua horticultura.

Acredita-se que a cannabis sativa seja uma planta originária da Índia, mais exatamente de uma região um pouco ao norte das montanhas do Himalaia. Esta planta é uma planta herbácea anual que pode atingir entre 4 e 5,4 metros de altura. Floresce entre o final do verão e a metade do outono. Normalmente, as plantas possuem apenas um tipo de flor, macho ou fêmea, sendo que apenas algumas possuem os dois tipos. As inflorescências do tipo masculino crescem em cachos alongados junto com as folhas, são amarelas e morrem após a floração. As inflorescências femininas crescem em cachos com formas de espigas e permanecem com uma coloração verde-escura até um mês após a floração, quando as sementes amadurecem. O Haxixe, que é mais forte do que a maconha, é produzido a partir da resina das inflorescências da cannabis.

A planta da maconha contém mais de 400 substâncias químicas, 60 das quais se encaixam na categoria de canabinóides, de acordo com o Instituto Nacional de Saúde (em inglês). O THC é apenas um destes canabinóides, e é a substância química mais associada aos efeitos que a maconha produz no cérebro. As plantas da maconha também possuem colina, eugenol, guaiacol e piperidina. A concentração de THC e de outros canabinóides depende de fatores como: condições de plantio, genética da planta e processamento após a colheita. Você irá aprender sobre a potência do THC e a toxicidade da maconha mais à frente.