Após a lipoaspiração

Autor: 
Stephanie Watson

Cortesia da Centro Médico daUniversidade de Nebraska
Roupa de compressão

Se o paciente for submetido a anestesia local, ele normalmente retorna para sua casa no mesmo dia após a cirurgia. Anestesia geral geralmente requer que o paciente permaneça por uma noite no hospital ou no centro cirúrgico.

Após o procedimento, vários pacientes fazem drenagem de fluido no local onde foi feita a lipoaspiração. Algumas vezes, os médicos precisam inserir tubos para facilitar a drenagem. Normalmente, os pacientes usam uma roupa elástica de compressão no local da cirurgia para comprimir a região afetada para reduzir o inchaço e acelerar a recuperação. Os pacientes também devem tomar antibióticos para prevenir infecções. Veja Como funcionam os antibióticos.

Os pontos da incisão são removidos ou se dissolvem após 10 dias. Vários pacientes sentem dor, amortecimento ou queimação durante o processo de recuperação, mas estes sintomas normalmente desaparecem dentro de três semanas. Entre quatro a seis semanas depois, o inchaço já diminuiu o suficiente para os resultados serem vistos. Os pacientes precisam evitar exercícios pesados ou qualquer outra atividade pesada por cerca de um mês após o procedimento ter sido efetuado.




Foto cedida por Centro de cirurgia plástica de Santa Barbara, Dr. David L. Buchanan
Fotos "antes e depois" de lipoaspiração

A lipoaspiração é permanente, mas não pode apagar a obesidade para sempre. Se uma pessoa passa por uma lipoaspiração e continua se alimentando de forma errada ou não faz exercício algum, ela irá perceber uma protuberância nas regiões tratadas, e a gordura irá aparecer em outras partes do corpo. Isto ocorre, em parte, devido a um hormônio chamado leptina, que é feito de células gordurosas. Os níveis deste hormônio diminuem quando a gordura é removida. Esta diminuição causa um aumento no apetite (causando a ingestão de alimentos) até que os níveis subam novamente. O problema é verificado principalmente em pessoas que estavam acima do peso antes da cirurgia. Para compensar a perda de células gordurosas, seus corpos produzem mais células gordurosas em outras regiões, e a gordura começa a se concentrar ali. A lipoaspiração pode ser refeita se necessário, mas não há garantias de que o resultado seja o mesmo do primeiro procedimento.

Os riscos
Assim como qualquer outro procedimento cirúrgico, a lipoaspiração também tem seus riscos. Isto inclui:

  • infecção;
  • a formação de grumos de gordura e coágulos de sangue que podem se desprender e ir para os pulmões (uma condição potencialmente fatal conhecida como embolia pulmonar);
  • muita perda de fluido, causando choque ou, até mesmo, morte;
  • acúmulo de fluido;
  • danos ao nervo causando formigamento ou desconforto;
  • inchaço que pode durar várias semanas ou meses após o procedimento;
  • morte da pele (necrose), no local onde foi feita a lipoaspiração: começa a escamar e morrer e/ou criar uma infecção;
  • queimaduras devido à sonda de ultra-som;
  • puncturas em órgãos, por exemplo, o intestino pode ser perfurado durante uma lipoaspiração abdomnal;
  • reações medicamentosa, incluindo reações ao fluido com lidocaína injetado nas técnicas tumescentes e "super-wet";
  • deformidade debaixo da pele caso o médico remova muita gordura;
  • cicatrizes, embora os médicos façam o possível para manter as cicatrizes pequenas e escondidas.

Em casos raros, a lipoaspiração pode levar à morte. Pesquisadores do assunto possuem opiniões adversas, mas estipula-se uma média de 3 a 100 mortes a cada 100 mil cirurgias de lipoaspiração.

Para mais informações sobre lipoaspiração e tópicos relacionados, veja os links na próxima seção.