Tratamento da infertilidade masculina

Muitos homens diagnosticados como inférteis no passado seriam considerados casos tratáveis hoje, mesmo aqueles com danos na medula espinhal. A menos que um homem não produza nenhum espermatozóide, recentes avanços no tratamento tornaram a fertilidade possível para muitos homens dispostos a se submeter ao tratamento e a arcar com os custos inerentes. Antes de se submeter a procedimentos avançados, a maioria dos casais que tenta conceber deveria tentar promover algumas simples mudanças no estilo de vida.

Planejamento e monitoramento da atividade sexual para melhores resultados

Os níveis de hormônios masculinos e femininos oscilam de acordo com a hora do dia. Eles variam ainda a cada dia e de mês em mês. Algumas dicas relacionadas ao tempo podem ser úteis.

Hormônio sexual masculino e atividade sexual - níveis de hormônios masculinos estão no auge durante a manhã (o interesse sexual também tende a ser alto durante a manhã). Outro estudo feito com homens demonstrou que a atividade sexual era mais alta em outubro, quando as taxas de concepção também eram altas.

Fertilidade e mudanças sazonais - estudos diversos revelaram uma quantidade maior de espermatozóides no inverno do que no verão. Para as mulheres, as taxas de fertilidade medidas em tratamentos bem sucedidos são maiores em meses nos quais os dias são mais longos.

Monitoramento da temperatura corporal basal - para determinar o momento mais provável da ovulação e da fertilidade, a mulher deve medir sua temperatura corporal, conhecida como temperatura corporal basal. Trata-se da temperatura corporal que aumenta ou diminui de acordo com as variações hormonais.

Ao estudar padrões de temperatura durante meses, os casais podem prever a ovulação e planejar sua vida sexual. Apesar disso, não é preciso ficar preso à tabela na hora de programar a vida sexual. Caso contrário, perde-se a espontaneidade e o estresse pode abalar o relacionamento.

Sistemas de monitoramento hormonal para mulheres - um dispositivo chamado monitor de fertilidade através da saliva (rastreador de fertilidade) utiliza um microscópio para ver slides da saliva e monitorar os níveis de estrógeno. Também estão disponíveis kits de teste caseiro que monitoram os níveis de hormônios reprodutivos. Eles são mais baratos que os testes de saliva, mas podem ser menos precisos. Monitorar os níveis hormonais ajuda a determinar quando uma mulher está ovulando.

Freqüência de relações sexuais - a freqüência das relações sexuais de um casal é um assunto controverso. Alguns especialistas dizem que fazer sexo mais do que 2 vezes por semana não traz benefícios. Na verdade, a atividade sexual freqüente reduz a quantidade de espermatozóides por ejaculação. No entanto, outros estudos indicam que fazer sexo todos os dias, ou ainda, diversas vezes ao dia, antes e depois da ovulação, eleva as taxas de gravidez. Embora a quantidade de espermatozóides por ejaculação seja baixa, a probabilidade de fecundar um óvulo é maior com a constante renovação do estoque de sêmen.

Considerações nutricionais

Todos devem buscar uma alimentação saudável com frutas frescas, verduras, legumes e grãos integrais. Substitua gordura animal por óleos monoinsaturados como azeite de oliva. Peixe também é uma boa opção, ainda mais porque contém óleos benéficos para a fertilidade masculina. Determinados nutrientes, vitaminas e minerais também aumentam a fertilidade.

  • A ingestão de antioxidantes eficazes como vitaminas C, E e beta caroteno podem ajudar a aumentar a quantidade e a mobilidade dos espermatozóides, de acordo com uma pesquisa de 2005. O estudo foi feito tanto com alimentos quanto com suplementos.
  • Vitaminas C e E podem reparar danos no DNA do espermatozóide. Segundo um estudo de 2005, homens que tomam 1 grama por dia dessas vitaminas reduzem significativamente a porcentagem de fragmentação no DNA do espermatozóide em um prazo de dois meses.
  • Um estudo de 2002 descobriu que homens inférteis que tomam suplementos à base de zinco (66 mg) e ácido fólico (5 mg) durante 6 meses aumentaram a quantidade de espermatozóides em 74%. Apesar disso, uma pesquisa de 2005 revelou que o zinco e o ácido fólico não afetam a qualidade do espermatozóide.
  • Os suplementos nutricionais L-carnitina e L-acetilcarnitina podem melhorar a mobilidade dos espermatozóides, de acordo com diversas experiências clínicas recentes.

Outras mudanças no estilo de vida

O homem que busca aumentar a quantidade de espermatozóides também deve buscar um estilo de vida saudável.

  • Deve-se evitar cigarros e drogas que afetam a quantidade de espermatozóides ou reduzem a função sexual.
  • Homens acima do peso devem tentar emagrecer.
  • Fazer exercícios moderada e regularmente (aqueles que se exercitam excessivamente poderiam reduzir as práticas, mas não interrompê-las totalmente).
  • O estresse pode contribuir para reduzir a qualidade do espermatozóide. Não se sabe se técnicas de redução de estresse podem aumentar a fertilidade, mas podem ajudar casais a enfrentar os complicados processos envolvidos nos tratamentos de fertilidade.
  • Embora estudos indiquem que não há problema em se usar cueca ou calça justa, usar roupas mais folgadas também não causa prejuízos.
  • Para prevenir superaquecimento dos testículos, os homens devem evitar banhos quentes e saunas.

Planejamento contra estresse e depressão

O processo de fertilidade é uma montanha russa de emoções. Não existem fórmulas precisas para o casal conceber. Muitos casais com problemas de fertilidade podem se surpreender positivamente com a concepção, enquanto outros aparentemente férteis podem não conseguir. Há novos e excepcionais tratamentos, mas um nascimento nunca é garantido. A carga emocional para o casal é considerável e é bom contar com algum tipo de planejamento.

Planejamento para problemas emocionais

  • Decida com antecedência quantos e quais tipos de procedimentos serão emocional e financeiramente aceitáveis e defina um limite. Tratamentos de fertilidade são caros. Uma gravidez bem sucedida normalmente depende de diversas tentativas.
  • Determine alternativas (adoção, doação de espermatozóide ou óvulo, não ter filhos) no tratamento de fertilidade. Isso ajuda a reduzir a ansiedade e insegurança durante os tratamentos, caso a concepção não aconteça.

Gerenciamento do estresse emocional durante o processo

Gerenciar emoções negativas é tão importante quanto o tratamento médico. O processo de avaliação de fertilidade pode ser difícil para muitos homens. Segundo um estudo de 2003, mais de 10% dos homens que tiveram que coletar uma segunda amostra de sêmen não o conseguiram através da masturbação. Esses homens não tiveram problemas na primeira coleta, mas depois da necessidade de uma amostra adicional, passaram a apresentar forte ansiedade durante a masturbação na clínica de fertilidade e durante a prática sexual em casa. Uma série de estudos relatam uma significativa associação entre fatores psicológicos (particularmente a ansiedade) e falha no tratamento de fertilidade feminino.

Gerenciamento dos efeitos emocionais do resultado

Depois de se submeter ao processo, o casal precisa enfrentar o resultado. Mesmo um resultado positivo causa repercussões emocionais.

  • Efeitos da falha - não é preciso dizer, mas o estresse emocional da falha pode ser devastador até mesmo nos relacionamentos mais afetuosos e que estejam prontos para uma possibilidade de fracasso. Tanto o homem como a mulher não devem hesitar em procurar ajuda profissional se a carga emocional for muito pesada.
  • Efeitos do teste genético - conforme as tecnologias avançam permitindo testes e mais informações genéticas no estágio inicial, os aspirantes a pais terão que lidar com incertezas de possíveis anormalidades cromossômicas, que podem ou não ser significativas.
  • Efeitos de tratamentos bem sucedidos - alguns estudos indicam que mesmo diante do sucesso, algumas mulheres apresentam alto estresse e medo de perder o bebê. No entanto, de acordo com um estudo de 2000, mulheres que conseguiram engravidar através de métodos de fertilidade se sentiram muito melhor, com mais auto-estima e menos ansiosas conforme a gravidez avançava em relação a outras mulheres que não tiveram que se submeter à intervenção médica.
  • Efeitos de múltiplos nascimentos - uma gravidez bem sucedida que resulta em múltiplos nascimentos traz novas complexidades e problemas emocionais. Um estudo mostrou uma alta taxa de depressão em mulheres que tiveram trigêmeos, particularmente se precisaram contar com a ajuda de terceiros e, especialmente, se os maridos não estavam presentes.
  • Efeitos nos pais - quando a criança é concebida por um tratamento de fertilidade, tanto o pai quanto a mãe ficam mais propensos à ansiedade e insegurança do que aqueles que concebem naturalmente.