O que provoca a queda de cabelo?

Se você cresceu ouvindo falar que a calvície é causada por deficiência de vitaminas, má circulação do couro cabeludo ou uso demasiado de chapéu, deve ficar surpreso ao saber que todas essas teorias foram desmentidas. Também é falso:

  • você afirmar que vai perder futuramente o cabelo ao olhar para seu avô materno e tios e ver que eles são carecas;
  • homens de 40 anos de idade que não perderam seu cabelo nunca serão carecas;
  • escovar 100 vezes seu cabelo todos os dias faz com que fique saudável.

Os especialistas dizem que a calvície, ou a alopécia, é causada por uma combinação de envelhecimento, mudanças hormonais e histórico familiar de calvície, nos parentes de ambos os lados. De modo geral, há dois tipos de perda de cabelo:

  • anagen effluvium - permanente - causada pela destruição dos folículos capilares
  • telogen effluvium - temporária - causada por um dano transitório dos folículos

Anagen effluvium se deve geralmente a uma administração interna de medicamentos, como agentes quimioterápicos que envenenam os folículos de crescimento capilar. Telogen effluvium se deve ao aumento dos folículos capilares que estão entrando em período de descanso. As causas mais comuns de telogen effluvium são:

  • estresse físico - cirurgia, doenças, anemia, rápida mudança de peso
  • estresse emocional - doenças mentais, morte de um membro da família
  • anormalidades da tiróide
  • medicação - altas doses de vitamina A (algumas vezes presente em suplementos dietéticos), remédios para hipertensão
  • mudanças hormonais - gravidez, pílulas anticoncepcionais, menopausa

Alopécia androgenética
Mais de 95% das perdas permanentes de cabelo se devem à alopécia androgenética, uma condição hereditária que afeta milhões de homens, mulheres e crianças. Essa condição é caracterizada pelo que chamamos de calvície. A calvície padrão masculina geralmente começa com uma queda da linha frontal do cabelo ou a diminuição do cabelo no alto da cabeça. O processo continua gradualmente até que, em casos extremos, resta apenas uma fina camada de cabelo nas laterais e na parte de trás da cabeça. A calvície feminina está chamando mais atenção nos últimos anos, com referência a uma diminuição geral do cabelo por todo o escalpo e tornando-se mais evidente depois dos 40 anos e particularmente após a menopausa.


Junto com o avanço da idade e com as tendências hereditárias para calvície, ela é acelerada por um excesso de hormônio masculino, o di-hidrotestosterona (DHT) dentro do folículo capilar. O DHT é a forma altamente ativa da testosterona, que influencia determinados aspectos do comportamento masculino, como agressividade na iniciativa sexual.

A testosterona é transformada em DHT por uma enzima chamada 5-alfa redutase, que é produzida na próstata, no couro cabeludo e em várias glândulas da supra-renal. Com o passar do tempo, o DHT causa a degradação do folículo capilar, encurtando a sua fase anágena, ou ativa.

Tecnicamente, o folículo ainda está vivo e ligado a um bom fornecimento de sangue. É por isso que ele pode nutrir um folículo transplantado que ainda está imune aos efeitos do DHT. Mas ainda diminuirá cada vez mais. Alguns folículos vão morrer, mas a maioria vai apenas diminuir de tamanho e produzir cabelo mais fraco. Os especialistas dizem que a diminuição progressiva da fase anágena, isto é, do ciclo de crescimento, significa que mais fios de cabelo estão caindo e que os fios que permanecem se tornam tão finos que não conseguem sobreviver ao desgaste do dia-a-dia. O cabelo das áreas mais calvas gradualmente muda de longo, forte, denso e colorido, para fino, sem pigmentação e curto.

Tratamento para a alopécia andrógena
As melhores opções de tratamento para a alopécia andrógena são:

  • aprender a viver com a perda de cabelo, conversando com um profissional que possa ajudar;
  • usar estilos de corte de cabelo e técnicas cosméticas para disfarçar a perda de cabelo. Um bom corte pode fazer muita diferença;
  • algumas combinações de apliques (perucas e alongamento) e cirurgia de transplante.

Muitas pessoas com esse distúrbio usam também o minoxidil, que é a única medicação aprovada pelo FDA como sendo um tratamento seguro e efetivo para a perda de cabelo padrão, tanto para homens como para mulheres. Geralmente, tanto o minoxidil via oral (com receita médica), quanto para uso tópico e sem receita, são efetivos no retardamento da perda de cabelo e estimulação do crescimento. Muitas pessoas, porém, dizem ter experimentado ambos.

Alopécia areata
De acordo com o American Hair Loss Council (em inglês), a alopécia areata também afeta, em determinado grau, milhões de homens, mulheres e crianças. Essa condição não inflamatória e que não afeta a pele é temporária. São temporárias em 90% daqueles que a têm. A alopécia areata é explicada como uma doença auto-imune, onde as células do próprio sistema imunológico do indivíduo, por engano, impede os folículos de produzir cabelo. Em muitos casos, o corpo usa seu próprio sistema de informação para reverter o problema a tempo. No entanto, as pessoas afetadas, mesmo que temporariamente por essa doença, podem sofrer um período de baixa auto-estima e depressão. Muitas vezes, precisam da ajuda de seus familiares e amigos.

A National Alopecia Areata Foundation (em inglês) diz que aproximadamente 20% dos casos de alopécia areata relacionam-se com hereditariedade, ao contrário da alopécia androgenética, em que a hereditariedade representa o papel mais importante.

Não há nenhum exame para diagnosticar a alopécia areata, mas um dermatologista experiente pode identificá-la normalmente. Para definir melhor o diagnóstico, algumas vezes os médicos precisam retirar um pedaço microscópico da pele para exame. Essa doença causa queda de pêlos em pequenas regiões. Freqüentemente, essas áreas do couro cabeludo ou de outras áreas do corpo ficam parecidas com pequenos remendos. Essas pequenas placas podem aparecer repentinamente, às vezes em 24 horas. Algumas pessoas dizem sentir um formigamento e/ou dor no local. Outros tipos de alopécia areata:

  • alopecia totalis - uma forma avançada de alopécia areata que resulta na perda total do cabelo;
  • alopecia universalis - outra forma de alopécia areata avançada que causa a perda de todos os pêlos do corpo;
  • alopecia por tração - perda de cabelo causada por um estresse físico ou tensão no cabelo, como uso prolongado de permanente ou penteados. O rastafari ou tranças muito apertadas feitas em cabelos fracos podem causar perda permanente.

Tratamento da alopécia areata
Não há cura para a alopécia areata, mas o surgimento dessas placas responde ao tratamento médico em diferentes graus. Há menor efeito quando se trata da alopécia totalis ou universalis. Infelizmente, os transplantes de cabelo não funcionam na alopécia areata porque é como dizem os médicos, "receptora dominante". Em outras palavras, as manchas carecas, que poderiam receber o cabelo transplantado, não têm potencial para crescimento do cabelo.

Pacientes que não respondem ao tratamento com medicamentos podem experimentar o uso de perucas. Ainda podem usar turbantes ou lenços. Os especialistas sugerem que, como a alopécia areata é imprevisível, você deve evitar cobrir a mancha com um pequeno aplique. Isso porque ele será inútil dentro de poucas semanas, devido ao avanço da alopécia. Um dermatologista pode dizer melhor quando essa condição se estabilizará. Nesse momento, haverá outras opções disponíveis.

Perda de cabelo relacionada à quimioterapia
Como mencionamos anteriormente, a quimioterapia é a administração de drogas tóxicas para evitar a rápida reprodução de células cancerígenas (veja Como funciona o câncer). As células cancerígenas se reproduzem muito rapidamente no corpo (veja Como funcionam as células). Outras células, como as que contribuem para a formação de folículos capilares e unhas, também se reproduzem rapidamente. Assim, enquanto as drogas quimioterápicas destroem as células cancerígenas, também podem destruir as células responsáveis pelo crescimento normal das unhas e cabelos. É por isso que os pacientes com câncer geralmente perdem o cabelo e as unhas durante o tratamento. Nenhum estimulante de crescimento, xampu, condicionadores ou outros tratamentos cosméticos podem prevenir ou retardar a perda de cabelo. A boa notícia é que assim que terminar a quimioterapia, o cabelo cresce normalmente outra vez, dentro de um período de 6 meses a um ano.