Alimentos que devem ser evitados durante a gravidez

Autor: 
Elizabeth Eden, M.D.

Assim como acontece com os alimentos saudáveis que você come, as substâncias prejudiciais que você consome podem ser passadas diretamente para o feto. Embora algumas substâncias sejam óbvias, como o álcool, outras podem surpreendê-la.

Cafeína

A cafeína é uma substância encontrada naturalmente no café, no chá, nas bebidas à base de cola e no chocolate. Ela também existe em alguns medicamentos, por isso, leia os rótulos cuidadosamente a fim de identificar os produtos que contêm cafeína. A cafeína segue diretamente para o feto e a concentração de cafeína no sangue fetal será praticamente a mesma que a do sangue materno. Estudos não mostraram associação entre o consumo de cafeína e anormalidades do feto, mas a cafeína é um estimulante poderoso. Ela também aumenta a produção dos hormônios do estresse, provocando constrição dos vasos sangüíneos uterinos, o que diminui o fluxo de sangue ao útero e pode reduzir temporariamente a quantidade de oxigênio enviada ao feto.

Qualquer droga consumida durante a gestação, seja cafeína, álcool ou nicotina, pode prejudicar a criança.
Publications International, Ltd.
Qualquer droga consumida durante a gravidez pode prejudicar a criança

Uma quantidade grande de cafeína não é bom para você nem para seu bebê. Entretanto, o consumo de cafeína em pequenas quantidades (uma ou duas xícaras de café por dia) é considerado seguro durante a gestação.

Adoçantes artificiais

Embora o aspartame aparentemente não tenha efeito sobre o feto em desenvolvimento, as gestantes são aconselhadas a consumi-lo com moderação. As mulheres grávidas que têm fenilcetonúria - uma doença hereditária rara em que o corpo não consegue metabolizar a fenilalanina (um aminoácido) - ou níveis elevados de fenilalanina no sangue devem evitar totalmente o aspartame. O aspartame contém fenilalanina e seu excesso no corpo prejudica o sistema nervoso central e pode causar retardamento mental.

A sacarina deve ser evitada pelas gestantes e pelas mulheres que amamentam. Embora os estudos que associam a sacarina ao câncer de bexiga tenham sido descartados, mostrou-se que ela penetra na placenta e pode permanecer no tecido fetal.

Chá de ervas

O chá de ginseng possui uma pequena quantidade de estrogênio. O chá de camomila contém ambrósia, que pode causar reações alérgicas graves em algumas pessoas. Os chás feitos de grãos de junípero podem provocar irritação estomacal. Não é porque os chás à base de ervas são considerados naturais que eles são seguros para as gestantes. Por isso, em geral, evite os chás de ervas, exceto os comprovadamente seguros durante a gestação, como o de hortelã e o de folha de framboesa.

Cigarro

A fumaça de cigarro representa uma séria ameaça ao bem estar do bebê. As mães que fumam geralmente têm bebês com peso menor no nascimento do que os de mães que não fumam (o baixo peso no nascimento é a causa principal de mortalidade infantil). O tabagismo também está associado a um índice maior de aborto, prematuridade, natimortalidade e morte do bebê logo após o nascimento. Além disso, está ligado ao desenvolvimento físico e intelectual deficiente das crianças.

Se você fuma há muitos anos, talvez seja difícil parar durante a gravidez. Entretanto, para a saúde de seu bebê, faça um esforço e pare de fumar. Se não conseguir parar completamente, diminuir a quantidade de cigarros já será ótimo, já que os efeitos nocivos do tabagismo estão relacionados à quantidade que você fuma.

As dicas a seguir podem ajudar você a parar ou pelo menos reduzir o fumo.

  • Entre em um programa criado para ajudar pessoas a pararem de fuma. Existem programas disponíveis em várias regiões, especialmente criados para gestantes e novas mamães.
  • Diminua a quantidade de cigarros que você fuma por dia. Tente continuar reduzindo um pouco mais a cada semana. Tenha à mão guloseimas pobres em gordura e chicletes, e recorra a eles em vez de ao cigarro.
  • Dê cada vez menos tragadas em cada cigarro que fumar.
  • Use um filtro de água, disponível em drogarias, que se coloca no filtro do cigarro.

Se você conseguir parar de fumar durante a gravidez, tente não retomar o hábito depois que tiver o bebê. Filhos de fumantes têm uma suscetibilidade maior a doenças respiratórias, como resfriados, bronquite e asma, infecções de ouvido e outros problemas de saúde potencialmente sérios. A fumaça de cigarro também é um fator de risco conhecido da síndrome da morte súbita infantil.

Maconha

Os estudos sobre os efeitos do uso da maconha estão longe de serem conclusivos, mas existem algumas evidências de que está associado ao câncer de pulmão. A maconha debilita a memória por curto período e provoca irregularidades menstruais. Estudos feitos em animais mostraram que o ingrediente ativo da maconha atravessa a placenta e se acumula no feto. Alguns estudos sugerem que o uso da maconha está associado a trabalho de parto precipitado, trabalho de parto prolongado, baixo peso ao nascimento, prematuridade e um risco maior de sofrimento fetal. Embora haja muita coisa que os pesquisadores não saibam a respeito dos efeitos prolongados do uso da maconha, ela é uma droga, e não deve ser usada durante a gravidez.

Cocaína

A cocaína tem efeitos profundos na mãe e no feto. Causa aumento dos batimentos cardíacos maternos, constrição dos vasos sangüíneos da placenta, fazendo com que uma quantidade menor de sangue seja enviada ao feto, aumento da secreção dos hormônios do estresse, que provoca constrição dos vasos sangüíneos uterinos e contratilidade uterina elevada.

É difícil para os pesquisadores isolarem os efeitos da cocaína, já que muitos usuários também utilizam outras drogas. Entretanto, relaciona-se também o uso da cocaína a uma alta incidência de aborto espontâneo e descolamento da placenta da parede uterina. Os bebês cujas mães usaram cocaína têm dificuldade para se adaptar aos estímulos ambientais após o nascimento e podem ficarem viciados na droga.

Álcool

Beber em excesso durante a gestação (mais de cinco ou seis doses diárias) faz o bebê correr o risco de desenvolver a síndrome alcoólica fetal. Os bebês viciados nascem com deficiências físicas, como microcefalia (cabeça anormalmente pequena), certos defeitos no coração e, com freqüência, retardamento mental.

O consumo moderado (uma ou duas doses por dia) e social (três ou quatro doses por dia) de bebida alcoólica também é associado a problemas. Estudos apontam índices freqüentes de aborto, defeitos de nascença e baixo peso do recém-nascido. Não foi estabelecido nenhum nível seguro de consumo de álcool. Conseqüentemente, o ideal é se abster de bebidas alcoólicas durante a gestação.

Outros medicamentos e drogas

A gestação é um período em que o uso de todo tipo de droga deve ser evitado. O ideal é tomar cuidado com os medicamentos que você toma. Drogas e medicamentos incluem qualquer remédio que você possa comprar sem receita médica, como também os prescritos pelo seu médico. O médico pode ajudar você a decidir que medicamentos são indicados durante a gestação.

Lembre-se de que uma boa saúde na gestação não significa apenas evitar alimentos e drogas prejudiciais, mas também ter uma boa alimentação e ganhar peso suficiente para beneficiar o bebê que está crescendo.

SOBRE A CONSULTORA: Dra. Elizabeth Eden é obstetra e atua em seu próprio consultório em Nova Iorque. Trabalha como médica responsável no Hospital Tisch do Centro Médico da Universidade de Nova Iorque e como professora assistente clínica na Escola de Medicina da Universidade de Nova Iorque.

Esses dados são apenas informativos. ELES NÃO TÊM O OBJETIVO DE PROPORCIONAR ORIENTAÇÃO MÉDICA. Nem os editores de Consumer Guide (R), Publications International, Ltda., nem o autor e nem a editora se responsabilizam por quaisquer conseqüências possíveis oriundas de qualquer tratamento, procedimento, exercício, modificação alimentar, ação ou aplicação de medicação resultante da leitura ou aplicação das informações aqui contidas. A publicação dessas informações não constitui prática de medicina, e não substituem a orientação de seu médico ou de outros profissionais da área médica. Antes de se submeter a qualquer tratamento, o leitor deve procurar atendimento médico ou de outro profissional da área da saúde.