Como funciona a gripe aviária

Autor: 
Tracy Wilson
o vírus da gripe
Foto cortesia de CDC
O vírus da gripe

Se você está atento às últimas notícias, provavelmente já ouviu falar dos horrores da gripe aviária ou gripe do frango. Ela é uma doença altamente infecciosa que afetou populações de aves em muitas partes do mundo. Em outubro de 2005, a doença chegou à Europa Oriental, muito provavelmente através de aves migratórias. Ela continuou a se espalhar pela Europa e, em fevereiro de 2006, se deslocou para a África. Apesar do vírus não infectar as pessoas facilmente, mais da metade que o contraíram, morreram.

Mas o que é exatamente a gripe aviária? Em que aspectos ela é diferente da gripe sazonal que as pessoas pegam todo ano? Como ela ameaça as pessoas? O que os governos estão fazendo para que ela não se espalhe?

Neste artigo, examinaremos os princípios básicos do funcionamento do vírus e da gripe e descobriremos as respostas para estas e outras perguntas sobre a gripe aviária, inclusive se é possível que ela cause uma epidemia mundial.

Os vírus e a gripe: resumo
Uma partícula de vírus - ou vírion - é uma partícula microscópica que contém material genético envolvido em uma camada de proteína. Alguns vírus também têm uma membrana de lipídios envolvendo a  camada de proteína. Ao contrário das bactérias, eles não podem se reproduzir sozinhos - precisam invadir células hospedeiras. Este processo destrói as células e faz com que as pessoas adoeçam.

um vírus

Os vírus geralmente entram no organismo de animais e pessoas pela boca, membranas mucosas ou fissuras na pele. Então, eles infectam células específicas. Por exemplo, os vírus do resfriado comum (em inglês) atacam o sistema respiratório. Ao se reproduzirem, eles destróem as células hospedeiras, liberando cópias do vírus para atacar outras células. Alguns vírus são mais estáveis que outros, mas em geral, eles se transformam com freqüência e isso, às vezes, dificulta o tratamento médico.

Vacina a caminho

Cientistas desenvolvem a base para uma vacina contra o vírus H5N1 da gripe aviária, que é mais tóxico do que o H1N1 da chamada gripe suína, mas se espalha com menos facilidade.

Leia mais em VEJA.com

A gripe é um tipo específico de vírus que ataca o sistema respiratório. Ele pode causar febre, inflamação da garganta e congestão. Como ele ataca células musculares, pode causar também dores musculares.

Existem três tipos de vírus da gripe - tipos A, B e C. Há vários sub-tipos dessas categorias e existem mútiplas cepas dentro de cada sub-tipo. Como muitos vírus, a gripe pode sofrer mutações através de variações antigênicas (pequenas mudanças que ocorrem ao se reproduzirem) ou alterações antigênicas (mudanças mais importantes que criam um novo sub-tipo de vírus).

O vírus da gripe tem oito segmentos genéticos. Quando dois tipos diferentes se encontram, eles podem trocar segmentos de DNA. Isto pode levar a novas cepas de vírus, algumas das quais podem ser especialmente fatais. Na verdade, os cientistas acreditam que as duas pandemias mais recentes de gripe ocorreram depois que cepas humanas de gripe adquiriram genes do vírus da gripe aviária.

Sub-tipos de gripe A
Os sub-tipos de gripe A recebem seus nomes a partir das proteínas chamadas de hemaglutinina (HA) e neuraminidase (NA). Existem 16 sub-tipos HA e 9 sub-tipos NA. É por isto que os vírus da gripe tipo A tem nomes como:

 

  • H1N1: a gripe "espanhola" que matou 50 milhões de pessoas no mundo todo nos anos de 1918 e 1919 (os cientistas identificaram suas proteínas muito depois que a pandemia tinha acabado);
  • H2N2: a gripe "asiática" que causou uma pandemia nos anos de 1957 e 1958; 
  • H3N2: a gripe de "Hong Kong", que causou a pandemia mundial mais recente, em 1968.

A gripe aviária

um peru selvagem oriental
Imagem cortesia de Gary M. Stolz
U.S. Fish and Wildlife Service

Peru selvagem oriental

Os pássaros pegam todos os sub-tipos conhecidos da gripe A. Quando os cientistas falam sobre gripe aviária, contudo, eles geralmente se referem às cepas que existem principalmente  nos pássaros - não em pessoas. Normalmente, os pássaros não podem transmitir a gripe diretamente para as pessoas. Eles a transmitem primeiramente para os porcos e outros animais que podem contrair tanto as cepas humanas como as aviárias da gripe. Quando as cepas se encontram, elas criam uma nova cepa, que infecta os seres humanos.

Muitos pássaros selvagens levam a gripe aviária no seu intestino e espalham o vírus através de seus dejetos, mas geralmente não ficam doentes. As aves domésticas, no entanto, podem ficar doentes quando entram em contato com a água, alimentos ou solo contaminado. Os pássaros espalham a doença entre eles através da saliva, secreções respiratórias e dejetos.

Perus domésticos
Imagem cortesia de Scott Bauer / U.S. Dept. of Agriculture
Perus domésticos. Apesar de cepas da gripe aviária infectarem com maior freqüência as aves selvagens (como o peru mostrado acima), elas, quase sempre, são mais perigosas para as aves domésticas.

A gripe aviária pode ser tanto de baixa morbimortalidade como de alta morbimortalidade. Cepas de baixa morbimortalidade causam sintomas muito leves, como penas arrepiadas e a diminuição na produção de ovos. As cepas de alta morbimortalidade, podem ser fatais - elas atingem uma taxa de mortalidade próxima dos 100%. As aves que sobrevivem podem continuar a espalhar o vírus através de seus dejetos até 10 dias depois de se recuperarem, o que contribui para que o vírus continue a se espalhar.

 

Granjeiros podem proteger suas aves da gripe ao seguirem as práticas de biossegurança (em inglês). Em um esforço para diminuir a propagação das várias cepas da gripe aviária, os fazendeiros desinfetam suas roupas e  sapatos, assim como os equipamentos de suas fazendas. Eles também mantêm aves que podem estar infectadas em quarentena, mantendo as aves domésticas afastadas das aves selvagens.

Os fazendeiros não estão apenas protegendo as suas aves e o seu ganha pão - eles também estão protegendo a saúde humana. Em casos raros, a gripe aviária pode se espalhar para as pessoas, pois elas não são imunes às cepas aviárias da gripe; portanto, estes vírus podem ser especialmente fatais. Na próxima seção, conheceremos a gripe aviária H5N1, um vírus de elevada morbimortalidade que chegou às manchetes quando infectou e matou pessoas na Turquia e no Sudeste da Ásia.

Infectando outras espécies
Em 2004, a gripe aviária H5N1 infectou e matou
tigres, leopardos e gatos.