Terceiro trimestre da gravidez

Autor: 
Stephanie Watson

Durante as próximas 12 semanas, o feto vai terminar o seu desenvolvimento e preparar-se para o difícil processo do parto. Ele agora tem 38 centímetros e pesa entre 0,9 kg e 1,3 kg. Seus olhos têm uma cor definida (embora ela possa mudar após o nascimento) e são ornados com cílios. O corpo vai se arredondando devido aos depósitos de gordura sob a pele, que vai ajudar a regular sua temperatura após o nascimento. O cérebro está ficando maior e mais definido e o crânio está crescendo para acomodá-lo. Se for um menino, seus testículos já estão descendo para o escroto. Se for uma menina, o clitóris já se desenvolveu.

À medida que a barriga incha, a mãe pode sentir mais desconforto, especialmente próximo do final da gravidez. Ela pode ter hemorróidas e insônia. A pressão do útero crescendo também pode causar falta de ar, pressionar os nervos, causando dor na parte inferior das costas e pernas, e comprimir a bexiga, fazendo com que ela tenha que correr ao banheiro constantemente. Muitas mulheres se sentem cansadas e têm dificuldades para dormir por causa da cintura que não pára de crescer.

Há momentos durante o terceiro trimestre em que os músculos do útero materno começam a contrair. Estas contrações de Braxton-Hicks são um treino para ajudar a mãe a se preparar para o parto. Mas contrações freqüentes e dolorosas podem ser um sinal de parto prematuro.

Na 32ª semana, o feto pode mexer seus olhos para frente e para trás e notar a diferença entre o claro e o escuro. Ele já está ganhando peso rapidamente, cerca de 200 gramas por semana pesando pouco mais de 1,8 kg e medindo de 38 cm a 43 cm. O feto já pode ter a cabeça cheia de cabelos, além de unhas nos pés e nas mãos.


Foto cedida por A.D.A.M.
O feto com 32 semanas

O útero da mãe está ficando bem cheio. E embora o feto continue a se mexer, seus movimentos não são tão fortes como eram no começo da gravidez.

Na 35ª semana, o feto mede entre 38 cm e 45 cm e pesa de 2,5 kg a 2,7 kg. O lanugo (a penugem) começa a cair. A vernix caseosa, que protegia seu corpo no líquido amniótico, também desaparece. Seus órgãos já estão quase totalmente desenvolvidos.

A partir deste ponto, a mãe terá de ver seu médico todas as semanas até o nascimento. O médico pode coletar substância da vagina da mãe para fazer exames sobre a existência da bactéria chamada de estreptococos do Grupo B. As mães com resultado positivo para esta bactéria recebem antibióticos por via intravenosa durante o parto, para reduzir o risco de passar a infecção para o bebê.

Neste ponto da gravidez, o feto já fez a rotação para que fique de cabeça para baixo aguardando o parto. Quando os bebês estão virados de maneira errada, os partos são chamados de invertidos, mas há maneiras de virar o bebê antes do parto ser iniciado. Conforme seu bebê vai descendo na pelve, a mãe pode sentir melhora na falta de ar e outros sintomas que a atormentavam nas últimas semanas.

Embora o parto ainda não vá acontecer nas próximas semanas, o feto já é considerado completo. Isto significa que se o parto acontecesse agora, o feto teria condições de viver fora do útero. O peso deve estar em cerca de 2,7 kg e o tamanho entre 48 cm e 51 cm. A qualquer momento entre agora e o princípio do parto, o tampão mucoso que bloqueia a entrada do colo do útero da mãe impedindo a invasão de bactérias, vai ser eliminado. É um sinal de que o parto está para acontecer.

Nas últimas semanas de gravidez, o médico verifica o quanto ela "afinou" ou "endureceu". O afinamento é o processo em que o colo do útero, afina e fica mais suave para o parto. Quanto maior o grau de afinação, mais preparada para o parto a mãe está.

A 40ª semana marca, oficialmente, o final da gravidez, mas somente uma porcentagem muito pequena de mulheres realmente têm o bebê no dia correto, a maioria atrasa ou adianta. Se o bebê ainda não nasceu na 41ª ou 42ª semana, o médico provavelmente induz o parto.

Na próxima seção, vamos descobrir como o parto acontece.

Mitos da gravidez

Mito: se o bebê está numa posição baixa, é um menino. Se está em uma posição alta, é uma menina.

Realidade: a posição do feto no abdôme da mãe não tem nenhuma relação com o sexo dele. Há somente duas maneiras de descobrir se é menino ou menina: a amniocentese e o ultrassom.

Mito: se você tem muita azia durante a gravidez, o bebê vai nascer com bastante cabelo.

Realidade: a azia é comum para todas as gestantes, quer o bebê nasça careca ou com uma vasta cabeleira.

Mito: comidas apimentadas (ou um prato em especial) podem forçar o parto.

Realidade: não há evidências de que qualquer tipo de alimento possa dar início ao parto (por mais estranho ou apimentado que seja).

Mito: manter relações sexuais vai causar parto prematuro.

Realidade: embora o sexo possa ser desconfortável conforme a barriga da mãe cresce, nenhuma pesquisa indica que ele cause parto prematuro. No entanto, se a mãe tiver sangramentos durante a gravidez ou se o parceiro tiver alguma doença sexualmente transmissível, o médico pode aconselhar o casal a não ter relações até o nascimento.

Mito: se a mãe levantar os braços acima da cabeça, o cordão umbilical vai estrangular o bebê.

Realidade: embora haja uma porcentagem muito pequena de bebês estrangulados pelo cordão umbilical, o lugar em que ele está não tem absolutamente nada a ver com a posição dos braços da mãe.