Como funciona a esquizofrenia

Autor: 
Jane McGrath

esquizofrenia

A história sugere que a esquizofrenia atinge a humanidade há milênios, relegando doentes ao isolamento social. Apesar de vastas e profundas pesquisas, o transtorno - caracterizado por comportamento anormal e isolamento emocional - continua sendo um grande mistério.

Cerca de 24 milhões de pessoas no mundo e cerca de 1% da população americana acima dos 18 anos tem esquizofrenia [fonte: WHO, NIMH (em inglês)]. Aproximadamente 10% das pessoas que têm o transtorno se suicidam [fonte: NIMH]. Esquizofrênicos normalmente apresentam sintomas como ilusões, alucinações, obsessão, delírios, além de alterações sociais e emocionais.

woman with reflection in mirror
Sheryl Maree Reily/Getty Images
Esquizofrênicos vivem desconectados da realidade

Embora esteja presente em toda a história da humanidade, o transtorno não havia sido classificado de modo preciso até o fim do século 19. No início do século 20, o psiquiatra alemão Eugen Bleuler criou o nome "esquizofrenia" a partir das palavras gregas "divisão" e "mente" para descrever a doença. Ele escolheu esse termo baseado na idéia de dupla personalidade, um equívoco comum, principalmente em função de os esquizofrênicos apresentarem uma desconexão com a realidade. Bleuler também se referia à doença usando o termo no plural, considerando que o quadro poderia se apresentar de maneiras diferentes.

Esquizofrenia ou personalidade dupla?

Embora normalmente sejam confundidas, a esquizofrenia é diferente do transtorno de dupla personalidade, agora conhecido como transtorno dissociativo de identidade.

Embora a mídia e Hollywood tenham criado sensacionalismo quanto a transtornos de personalidade múltipla, trata-se de um quadro grave, mas raro. Segundo o DSM-IV (em inglês), uma pessoa com esse transtorno experimenta duas ou mais personalidades que assumem o comando. O transtorno também faz com que o indivíduo esqueça informações pessoais significativas.

As personalidades podem ser extremamente diferentes e até serem críticas uma em relação a outra. Algumas vezes, as diferentes personalidades não sabem nada uma da outra. Tratar o transtorno requer conscientizar cada uma delas e, gradualmente, torná-las novamente uma só através da conscientização de um evento traumático que possa ter causado a ruptura [fonte: Enciclopédia Britânica].

Normalmente, é difícil distinguir a esquizofrenia de quadros como depressão (em inglês) ou transtorno bipolar, razão pela qual é essencial ir ao médico para descartar essas possibilidades.

Saber que o transtorno pode surgir no futuro pode ser assustador para as pessoas que temem desenvolver a doença. Então como você pode saber se está com esquizofrenia? Saber os sintomas específicos vai ajudar você a decidir se deve buscar o auxílio de um psiquiatra especialista. Vamos discutir o tema na próxima página.

Tira-dúvidas

O mal atinge atualmente cerca de 1% da população mundial e conta com 56.000 novos casos a cada ano no Brasil. Veja perguntas e respostas sobre a doença, segundo especialistas.

Leia mais em VEJA.com