Remédio ou charlatanice

A erva-de-são-joão (Hypericum perforatum) é um arbusto com flores douradas. Algumas pessoas acreditam no seu efeito terapêutico para tratamento da depressão e da dor. Pacientes com depressão estão recorrendo à erva-de-são-joão devido ao fato de que várias drogas usadas no tratamento desse mal têm efeitos colaterais graves e torcem para que um medicamento derivado de uma planta possa causar menos problemas.

Os ingredientes terapêuticos ativos na erva-de-são-joão são a hipericina, pseudohipericina e xantonas, embora outros componentes possam apoiar a ação deles. Os preparados com extrato da erva-de-são-joão são padronizados em 0,3% de hipericina. A dosagem típica para um adulto é de 300 mg 3x ao dia, o que significa que uma pessoa tomando erva-de-são-joão recebe 2,7 mg diários de hipericina.


Foto cedida por Amazon.com
Já foram escritos muitos livros sobre a erva-de-são-joão

Ainda não está claro como a erva-de-são-joão funciona no tratamento da depressão, mas o mais provável é que a hipericina ajude a aumentar a quantidade de neurotransmissores do cérebro que afetam o humor, especialmente a dopamina e a serotonina, e reduzir a atividade adrenérgica, que é elevada na depressão. Mas a erva-de-são-joão também tem efeitos colaterais. Entre eles, os mais comuns são a sensibilidade à luz, boca seca, irritações no estômago, tontura e cansaço.

É importante ter em mente que, assim como com vários suplementos à base de ervas, a erva-de-são-joão pode interagir ou afetar a eficácia de outros medicamentos. Na verdade, uma pesquisa realizada pelo NIH (Instituto Nacional de Saúde dos EUA) mostra que a erva-de-são-joão pode interagir com os seguintes medicamentos:

  • alguns medicamentos usados para controlar a infecção do HIV (como o Indinavir)
  • alguns medicamentos contra o câncer, ou quimioterápicos (como o Irinotecan)

Além dos acima citados, a erva também pode afetar a eficácia de algumas drogas imunossupressoras usadas após um transplante de órgãos.

Vários estudos europeus menores sugeriram que essa erva é útil no tratamento de depressão leve a moderadamente grave. Porém, o NIH relata que alguns especialistas que revisaram esses estudos encontraram certas limitações à pesquisa e sentem que testes mais rigorosos se fazem necessários, fazendo com que já haja estudos clínicos em andamento nos EUA para determinar o grau de eficácia da erva-de-são-joão no tratamento da depressão.

De acordo com descobertas publicadas na edição de abril de 2002, do Journal of the American Medical Association (publicação da Associação Americana de Medicina), a erva não demonstrou ser mais eficiente do que um placebo no tratamento de depressão moderada. Um ensaio clínico randomizado e controlado foi conduzido para descobrir o efeito da Hypericum perforatum (erva-de-são-joão) no tratamento da depressão nervosa.

Como a erva-de-são-joão é vendida como um suplemento alimentar, ela não é regulada pela FDA (Administração de Drogas e Alimentos dos EUA) - em inglês, mas qualquer uso dela deve ser feito sob a supervisão de um médico.

Para mais informações sobre a erva-de-são-joão e assuntos relacionados, confira os links na próxima página.