O que é a doença da vaca louca?

Autor: 
Craig Freudenrich, Ph.D.
Doença da vaca louca = EEB
A doença da vaca louca é mais corretamente chamada de encefalopatia espongiforme bovina (ou EEB). Neste artigo, usaremos EEB para denominar esta doença.

A doença da vaca louca ou encefalopatia espongiforme bovina (EEB) é uma desordem cerebral fatal que ocorre no gado e é causada pelos prions. Na EEB, os prions causam morte das células cerebrais da vaca, formando buracos parecidos com esponja em seu cérebro. A vaca começa a agir de forma estranha e acaba morrendo. A relação entre a EEB e os seres humanos foi descoberta na Grã-Bretanha na década de 90 quando vários jovens morreram da doença, e uma semelhante à doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ), que normalmente atinge pessoas idosas. A nova variante foi chamada de doença de Creutzfeldt-Jakob com incubação reduzida, parecida com a EEB e suas relações com ela foram baseadas nas seguintes descobertas:

  • as vítimas da nova variante da doença de Creutzfeldt-Jakob viveram em áreas onde surtos de EEB haviam ocorrido antes. Nenhuma vítima foi encontrada em áreas onde a EEB não havia ocorrido;
  • foram encontradas proteínas nos cérebros das vítimas da nova variante da doença de Creutzfeldt-Jakob, chamadas de prions e eram parecidas com as encontradas nos cérebros das vacas com EEB, mas diferentes das proteínas presentes nas vítimas da DCJ clássica;
  • o tempo entre o aparecimento da EEB e as mortes das vítimas foi similar ao tempo que a doença de Creutzfeldt-Jakob leva para se desenvolver;
  • o tecido cerebral das vacas infectadas por EEB fez com que animais experimentais desenvolvessem sintomas e distúrbios do tecido cerebral parecidos com o que ocorreu com as vítimas na nova variante da DCJ.

O governo britânico chegou à conclusão que a EEB era a causa da nova variante da DCJ e que provavelmente as vítimas contraíram a doença comendo carne de vacas infectadas por EEB.

Origens da EEB

Acredita-se que a EEB seja proveniente de uma doença similar em ovelhas denominada scrapie. Na década de 80, produtores de ração para gado (que normalmente era feita de derivados de farinha de carne e ossos de carneiros) mudaram a forma de produzir ração. De certa forma, a mudança permitiu que o agente da doença scrapie sobrevivesse ao processo de produção de ração para gado. Desta forma, o alimento contaminado foi dado ao gado, que contraiu EEB.

Na época, não se achava que a scrapie e a EEB pudessem afetar seres humanos. Sendo assim, a carne (tecido nervoso) de vacas infectadas por EEB foi vendida como alimento. Seres humanos que comeram a carne infectada (provavelmente hambúrgueres o outras carnes processadas) contraíram o agente causador de EBB e desenvolveram a nova variante da DCJ.