Dietas de desintoxicação são úteis ou prejudiciais?

As dietas detox viraram moda. São usadas como receita para perder peso e também se tornaram uma forma radical de purificar o organismo. Nos Estados Unidos, país onde a tendência surgiu e depois se alastrou por quase todo o Ocidente, estima-se que a indústria de produtos naturais e tudo o que é relacionado aos programas de desintoxicação chegue a movimentar US$ 5 bilhões anualmente.

Os métodos sugeridos para limpar o corpo foram muitos ao longo dos últimos anos. Todavia, apesar das muitas variantes, todos eles apresentam um ponto em comum: não possuem qualquer comprovação científica a respeito de sua utilidade. A falta de base que os sustente fez surgir uma nova discussão em torno das dietas de desintoxicação e a mudança de tom em relação a elas. Os especialistas em nutrição e medicina começam a questionar se elas não podem ser prejudiciais.

Dietas tentam fazer algo que o organismo realiza sozinho

A função das dietas detox é limpar o organismo de toxinas. Para isso, são utilizados uma série de produtos considerados naturais. O grande obstáculo para saber se eles são efetivos é que esses itens não são classificados como remédios. Por isso, não há necessidade da realização de testes e exames para sua liberação para consumo.

A Food and Drug Administration (FDA), que é órgão do governo responsável por esses itens nos Estados Unidos, simplesmente os libera sem que exista qualquer regulação a respeito de sua produção ou distribuição uma vez que são considerados meros suplementos alimentares.

E como suplementos alimentares sua ação é meramente ajudar os órgãos do corpo humano a realizar tarefas que seriam feitas mesmo sem a sua ingestão. A eliminação da grande maioria das toxinas ingeridas é feita regularmente pelos rins e fígado.

Perda de peso com desintoxicação não se sustenta em longo prazo

Outro uso bastante comum dessas dietas detox é visando a perda de peso. Nesse aspecto, os especialistas dizem que elas são virtualmente inúteis quando usadas eventualmente. No momento em que são realizadas, realmente provocam a diminuição do peso. Todavia, esse efeito se relaciona essencialmente com a redução da água no organismo. Contudo, assim que a pessoa volta a se alimentar normalmente, tudo que foi perdido é recuperado tornando o mecanismo inócuo para essa finalidade.

Mesmo quando são usadas com frequência, os resultados não se sustentam em longo prazo. De acordo com estudo publicado pela revista American Psychologist, editada pela Associação de Psicologia dos Estados Unidos, a dieta pode ser eficiente nos primeiros meses fazendo com que as pessoas percam entre 5 a 10% do peso corporal. Porém, até dois terços dos usuários recuperam o volume perdido ou ganham mais peso dentro de quatro ou cinco anos.

Uso regular provoca danos ao organismo

Por serem usadas regularmente por uma gama cada vez maior de pessoas para esses fins, as dietas detox começaram a ser investigadas e alguns especialistas indicaram alguns problemas criados por essa ferramenta. "Muitos jejuns, em longo prazo, pode levar à degradação muscular e à escassez de muitos nutrientes que são necessários", afirmou Lona Sandon, nutricionista e porta-voz da American Dietetic Association (Associação de Dieta dos Estados Unidos). Segundo a especialista, deixar o corpo sem as vitaminas e os minerais que são precisos para a realização das tarefas básicas pode "enfraquecer o organismo na hora de combater infecções e inflamações".

As dietas mais radicais podem até mesmo alterar os níveis de açúcar, potássio e sódio no corpo. E isso aumenta o risco especialmente para pessoas portadoras de diabetes, doenças cardíacas, renais ou mulheres que estejam grávidas ou no período de amamentação. Segundo os estudiosos, crianças, adolescentes, adultos nessas condições ou pessoas mais velhas devem evitar dietas de desintoxicação. Assim como quem tem problemas no sistema digestivo.

Restrição de calorias pode causar fadiga e dores no corpo

Os efeitos colaterais da restrição de calorias por um tempo prolongado podem incluir dor de cabeça, fadiga, irritabilidade e dores no corpo. Como muitas das dietas de desintoxicação usam o recurso dos laxantes agressivos, as frequentes idas ao banheiro ainda são capazes de causar irritação nas regiões por onde saem as fezes e a urina, assim como provocam desidratação.

Apesar de um dos objetivos das dietas detox ser garantir que as pessoas se sintam mais leves e com mais energia, os estudos sobre a privação de alimentos mostram que o efeito das dietas é justamente o contrário. Como elas não contêm muita proteína e o corpo demora para reconstituir o tecido muscular perdido, a tendência é de que a pessoa fique mais letárgica e menos focada. Isso pode ser um problema na hora dos estudos e trabalho.

Em vez das dietas detox, os especialistas indicam uma solução bem menos radical e mais eficiente de mudança de hábitos alimentares. Sugerem o corte de alimentos ricos em gordura, moderação na quantidade de alimentos e inventivo no consumo de vegetais e frutas. Fazendo isso, asseguram que em longo prazo o organismo irá apresentar resultados bem mais positivos do que as fórmulas que forçam a correr para o banheiro várias vezes ao longo do dia.