Carboidratos e a dieta para diabete

Autor: 
Dr. Dana Armstrong and Dr. Allen Bennett King

Para ter sucesso com o controle de sua diabete, você precisa fazer escolhas pessoais de alimentos que sejam compatíveis com suas metas de glicose no sangue e com seu paladar. Uma vez que os carboidratos tenham, evidentemente, o maior efeito direto nos níveis de glicose, a determinação da quantidade de carboidratos que seu corpo consegue controlar é a base do controle de sua glicose.Realmente é bastante simples. Mas antes de começar, analise suas percepções, preconceitos e hábitos com relação à comida; eles podem tornar sua alimentação mais complicada do que precisaria ser. A superação desses problemas permite que você desfrute da liberdade que a simplicidade lhe traz - e possibilita que você sinta prazer em comer, controlando sua diabetes.

Não estereotipe seus carboidratos

De acordo com vários estudos, a quantidade de carboidratos digeríveis no que você come é mais importante que seu tipo (açúcar ou amido), em termos de glicose no sangue. Em outras palavras, um carboidrato é um carboidrato. Enquanto um lanche com um biscoito de chocolate recheado possa parecer "ruim" e um lanche com três biscoitos pequenos sem açúcar possa parecer "bom", seu corpo não consegue diferenciá-los se os dois lanches tiverem a mesma quantidade de carboidratos digeríveis. Ambos aumentarão seu nível de glicose na mesma quantidade.

Você pode estar pensando, "De jeito nenhum." Pode ser que seus preconceitos estejam lhe dizendo que comer um biscoito recheado ou uma barra de chocolate vai aumentar seus níveis de glicose, mais do que comer uma batata cozida ou mesmo alguns biscoitos sem açúcar. Talvez sua experiência o ajude. O culpado nessa discrepância aparente, entretanto, não é o tipo de carboidrato. Seus preconceitos - e a quantidade total de carboidratos que você consome - são provavelmente os responsáveis.

Esses alimentos contêm carboidratos. Os diabéticos precisam observar sua ingestão de carboidratos

Considere isso: geralmente, quando, o que e por que você come tem muito mais a ver com hábito ou desejo do que com fome. Dessa forma, enquanto pode comer apenas uma batata cozida, você também pode ser levado a comer uma barra inteira de chocolate, não porque ainda esteja com fome depois de ter comido a metade, mas sim porque seu sabor seja bom e talvez porque fazia muito tempo que você não comia um chocolate. Você ainda pode pensar que, por fazer muito tempo que não comia, tem o direito de comer duas barras. Então, você come mais doce - e mais carboidrato total.

É essa grande quantidade de carboidratos, e não sua fonte, que aumenta sua glicose. O tipo de privação que pode levá-lo a comer uma segunda barra de chocolate pode mudar sua alimentação. Não há nada que possa aumentar mais seu desejo por uma comida do que dizer que você não pode comê-la. Então, você toma um bom lanche, come um biscoito sem açúcar e depois três biscoitos de chocolate recheados. Você acha que comeu o que deveria comer, é justo que você coma o que realmente deseja.

Você, então, culpa os biscoitos recheados pelos seus níveis elevados de glicose. Apesar de serem colaboradores, eles não são o problema. Se terminou seu lanche com um dos três biscoitos recheados, primeiramente, em vez de um biscoito sem açúcar, "espera-se" que seu nível de glicose tenha sido mais baixo no final. Foi seu impulso de comer o que queria e a privação inicial imposta por você mesmo que fizeram seu divertimento acabar.

É esse tipo de pensamento limitado que pode fazer com que alguns alimentos pareçam proibidos ou mais perigosos, em termos de controle de glicose. Além disso, é esse pensamento que pode fazê-lo se sentir privado, levando, por sua vez, a comportamentos alimentares doentios que acabam frustrando suas melhores intenções. A privação também pode levá-lo ao desespero; e momentos de desespero levam a atitudes desesperadas.

Por exemplo, talvez você sempre seja o último na sua casa a deitar-se, ficando acordado até tarde apenas porque "ainda não está cansado". Ou talvez você recuse convites para jantar ou sair porque esteja "muito cansado"; mande as pessoas embora da sua casa porque queira ficar sozinho. Agora, completamente sozinho, você pode comer em paz, sem que ninguém faça nenhum comentário ou veja você comendo. Você se sente um criminoso fugitivo, tentando escapar da lei antes que seja capturado novamente e seja jogado de volta à prisão da privação. Esses tipos de preconceitos e hábitos alimentares anormais também podem interferir no controle da sua dieta para diabetes.

Hábitos e padrões alimentares são desenvolvidos ao longo dos anos e geralmente estão enraizados desde a infância. Você faz alguma coisa de um jeito simplesmente porque é dessa maneira que é sempre feita. Você limpa o prato porque não deve desperdiçar comida. Você come até o último grão porque pagou pela comida ou porque é de graça. Você come porque o rótulo do seu remédio diz que você deve tomá-lo com a comida. Você come porque o relógio diz que está na hora. Esses hábitos relacionados à comida não têm muito a ver com fome ou com seus níveis de glicose, mas eles tornaram-se a regra que rege sua alimentação.

Para finalizar esse ciclo de privação e de alimentação anormal e poder usar suas escolhas de comida para ajudar a controlar sua diabetes, você precisa igualar todos os alimentos e não proibir nenhum. Você precisa se convencer de uma vez por todas que não existe esse negócio de comida boa e ruim. Existem apenas comidas que afetam sua glicose no sangue de diferentes maneiras. Isso acabará com seu sentimento de privação. Se você sabe que pode comer um doce sempre que quiser, o impulso para comê-lo, como tinha antes, desaparecerá. Você será capaz de comer porque deseja um determinado alimento, e não porque nunca mais poderá comê-lo.

A quantidade de carboidrato que você ingere é mais importante para o diabético do que o que você come.

Em vez de comer porque deseja ou porque deveria, pergunte a si mesmo se está com fome. Você tem bom senso para saber quando precisa se alimentar e quando precisa parar. Embora esse sistema tenha muitos ativadores, um deles é seu nível de glicose no sangue. Quando sua glicose no sangue está baixa, você sente fome; quando está alta, perde o apetite. Se achar que tem que comer quando não está com fome só porque precisa tomar seu remédio com a comida, discuta essa questão com sua equipe de tratamento da diabete.

Acabar com a privação e analisar seus hábitos alimentares farão com que você perceba que é o equilíbrio de carboidratos que manterá suas metas de glicose. Isso o ajudará a mudar para melhor sua relação com a comida e a melhorar seu controle da diabetes.

São necessárias muitas investigações e experimentações para obter esse controle da diabete, como você verá na próxima seção.