O álcool e a dieta para diabetes

Autor: 
Dr. Dana Armstrong and Dr. Allen Bennett King

O álcool não é um carboidrato, proteína ou gordura. O corpo o enxerga mais como uma toxina do que como uma fonte de energia. Para seu corpo, o álcool é um veneno que precisa ser quebrado, desintoxicado e removido de seu sangue o mais rápido possível para evitar que ele acumule e destrua as células e os órgãos.

O álcool passa rapidamente do seu estômago e intestinos para o sangue sem ser quebrado. As enzimas do seu fígado fazem o trabalho de quebrar o álcool, mas esse processo é demorado. Seu fígado pode apenas metabolizar o álcool a uma taxa estabelecida, independentemente de quanto você bebeu. Se beber álcool mais rápido do que possa ser quebrado, ele percorre sua corrente sangüínea para outras partes do corpo até que possa ser metabolizado. As células do seu cérebro são afetadas por esse excesso, prejudicando as funções cerebrais e causando intoxicação.

Se você comeu ou não, e o que comeu, são dois fatores que influenciam a velocidade com que o álcool é absorvido no sangue. Uma vez que o álcool somente pode ser processado pelo fígado a uma determinada taxa, a diminuição do tempo de absorção (a rapidez com que o álcool aparece no seu sangue) pode ser benéfica. A rapidez com que seu estômago se esvazia para os intestinos é o principal controle da velocidade de absorção do álcool. Quanto maior o conteúdo gorduroso de uma refeição, mais lento será o esvaziamento e mais demorado o processo de absorção. Um estudo descobriu que a absorção do álcool nas pessoas que beberam após uma refeição que incluía gordura, proteína e carboidrato foi três vezes mais lenta que a absorção de quando beberam a mesma quantidade com o estômago vazio.

Com exceção da intoxicação que o álcool pode causar, seu processo de quebra passa na frente de outros processos no fígado. Normalmente, se seu nível de glicose no sangue começa a cair, seu fígado responde liberando glicose para o sangue. Essa glicose ajuda você a evitar uma hipoglicemia (baixos níveis de glicose no sangue). Entretanto, uma vez que seu corpo enxerga o álcool como um veneno, ele quer limpá-lo do seu sangue o mais rápido possível. Na verdade, ele fica tão ocupado processando o álcool, que não produzirá nem liberará nenhuma glicose até que o álcool seja eliminado do seu sistema.

A incapacidade de produzir glicose pode colocá-lo em risco por uma série de problemas diferentes, incluindo uma reação hipoglicêmica grave (da baixa glicose no sangue). Além disso, se você consumiu álcool, seu raciocínio pode ser prejudicado, diminuindo, ou até mesmo suprimindo, sua capacidade de perceber ou reconhecer os sintomas da hipoglicemia. Para completar, devido aos sintomas da intoxicação que imita a hipoglicemia, uma reação de hipoglicemia no sangue pode ser facilmente confundida com a embriaguez, possivelmente retardando ainda mais o tratamento de emergência, até você ficar inconsciente.

Dessa forma, você precisa abster-se do álcool para controlar a glicose no sangue? Você pode tomar uma garrafa de cerveja com a pizza ou uma taça de vinho com o espaguete? Não existe uma resposta correta. Você deve discuti-la com seus médicos. Seu histórico de consumo de álcool precisa ser revisto, os medicamentos que você toma precisam ser analisados para potenciais interações com o álcool e seu controle de diabetes precisa ser avaliado. Lembre-se de que você deve conversar com o seu médico sobre isso.

  1. Beba somente se sua diabete estiver controlada. O álcool pode piorar alguns problemas da diabete. O álcool pode acumular-se nas células nervosas, intensificando os danos dos altos níveis de glicose e piorando a neuropatia. Ele também aumenta os triglicerídeos, a pressão arterial e o risco de catarata. Se você tem hipoglicemia freqüentemente ou um histórico anterior de hipoglicemia grave, o álcool pode ser um grande risco a você.

  2. Beba com moderação. A metabolização do álcool pelo seu fígado é um processo lento, então, a quantidade de álcool que você bebe precisa ser controlada para evitar intoxicação. Moderação geralmente significa beber não mais que dois drinques por dia para homens e não mais que um drinque por dia para mulheres. Define-se um simples drinque como sendo 340ml de cerveja, 140ml de vinho ou 33ml de bebida destilada. Lembre-se de que o álcool não possui nutrientes, somente calorias, que seu corpo armazena como gordura.

  3. Não deixe de comer, nem diminua sua ingestão de alimentos quando beber. Beba junto com a refeição ou logo em seguida. Nunca beba com o estômago vazio, não deixe de se alimentar, nem substitua por álcool sua refeição ou lanche habitual.

  4. Sempre carregue um documento de identificação, preferencialmente um que indique que você tem diabetes. Isso faz com que as pessoas saibam que seu comportamento estranho ou perda de consciência não é por causa da intoxicação, mas de uma hipoglicemia grave.

  5. Jamais beba sozinho. Avise às pessoas ao seu redor que você tem diabetes e diga a elas quais são os sinais e sintomas da hipoglicemia. Com isso, elas não confundirão esses sintomas de hipoglicemia com intoxicação alcoólica e ajudarão você em uma possível reação hipoglicêmica.

  6. Fique sóbrio. Já que o álcool tem um efeito relaxante, ele pode prejudicar seu raciocínio. Você precisa comer, tomar seus medicamentos e testar seu açúcar no sangue no horário.

  7. Faça o teste de glicose no sangue freqüentemente. Veja como o álcool o afeta fazendo o teste antes e depois de beber e no dia seguinte. Certifique-se de sempre testar sua glicose no sangue antes de dormir. Nunca tome insulina a mais nem pílulas adicionais para diabete para tratar o alto nível de glicose no sangue pouco antes de deitar-se. É perigoso você ficar hipoglicêmico quando estiver dormindo e não perceber.

Como acontece com o álcool, o diabético precisa prestar muita atenção nos adoçantes - que são o assunto de nossa próxima seção.