Como os alimentos afetam a glicose no sangue

Autor: 
Dr. Dana Armstrong and Dr. Allen Bennett King

Seu corpo precisa de quantidades adequadas de seis nutrientes essenciais para funcionar normalmente. Três deles - água, vitaminas e minerais - não dão energia e não afetam os níveis de glicose no sangue. Os outros três - carboidrato, proteína e gordura - dão a seu corpo a energia necessária para funcionar. A energia é medida em calorias. Qualquer alimento que contenha calorias aumentará seus níveis de glicose no sangue.

Para que seu corpo use corretamente essas calorias, ele precisa de insulina. Sempre que você comer, a comida será digerida e quebrada em glicose, a principal fonte de energia do seu corpo. Enquanto todos os nutrientes são quebrados em glicose, os carboidratos têm um efeito mais direto nos níveis de glicose no sangue. A proteína e a gordura têm um efeito mais lento e indireto nesses níveis. Se entender isso, você poderá saber como o alimento afetará seus níveis de glicose.

Carboidratos

Conhecidos como açúcares e amidos, os carboidratos são a principal, e preferida, fonte de energia do seu corpo. Eles entram na corrente sangüínea rapidamente, são previsíveis quanto à forma como afetam a glicose e são quebrados por completo em aproximadamente duas horas. Existem três tipos: carboidratos simples, ou açúcares (como açúcar de mesa e mel), carboidratos complexos digeríveis, ou amidos (em pão, massa e batata); e carboidratos complexos não-digeríveis, ou fibra. Aproximadamente 100% dos açúcares e amidos que você ingere quebram-se em glicose; fazem isso praticamente com a mesma velocidade, independentemente de sua fonte.

Existem dois tipos de carboidratos simples, os monossacarídeos e os dissacarídeos. Os monossacarídeos, como a glicose e a frutose, são unidades simples de açúcar. Os dissacarídeos consistem em duas unidades de açúcar; por exemplo, a sacarose, ou açúcar de mesa, é feita de um açúcar de glicose unido a um açúcar de frutose.

Os carboidratos complexos digeríveis, ou amidos, são polissacarídeos; eles consistem em muitas cadeias longas de unidades de glicose unidas juntas. Os amidos são encontrados nos grãos, nos legumes e nas batatas. Quando os amidos são digeridos pelo corpo, são quebrados em glicose, a forma mais simples de energia usada pelo corpo e pelo cérebro. Por essa razão, o amido em uma batata e o açúcar do seu açucareiro são a mesma coisa, no que diz respeito a seu corpo. O corpo quebra e utiliza a glicose de cada um em formas idênticas e não consegue saber se a energia originou-se de um carboidrato simples ou complexo.

Entretanto, os diabéticos geralmente acham que não podem ou não devem ingerir nenhum carboidrato simples, ou açúcar, em sua dieta. O açúcar é tradicionalmente visto como um alimento perigoso ou proibido para as pessoas com diabete. Afinal, o "açúcar" no sangue é alto, então, por que complicar as coisas? Médicos e nutricionistas sempre adotaram que, uma vez que o açúcar é um carboidrato simples, ele deve ser digerido e absorvido com mais rapidez no sangue que os amidos mais complexos, como os encontrados em batatas e pães. Adotaram também que os açúcares simples seriam os mais prováveis de causarem um aumento maior dos níveis de glicose no sangue.

Bem, os médicos, os nutricionistas e quaisquer outros especialistas estavam errados. Vários estudos mostraram que todos os alimentos aumentam o açúcar no sangue e que os carboidratos simples não elevam seus níveis de glicose, nem em maior quantidade ou velocidade, que os amidos sozinhos. Em 1994, esses estudos conclusivos permitiram que a Associação Americana de Diabete mudasse suas recomendações nutricionais. As recomendações agora dizem "os indícios científicos mostraram que o uso da sacarose como parte das refeições não prejudica o controle de glicose no sangue em pessoas com diabete tipo 1 e tipo 2". Agora, geralmente, admite-se que a quantidade total de carboidratos na dieta, não sua fonte, é o que influencia significativamente seus níveis de glicose no sangue.

Todos nós precisamos de carboidratos, mas os diabéticos devem ficar atentos ao seu consumo.

2006 Publications International, Ltd.

Os diabéticos precisam prestar atenção nos carboidratos

A fibra é composta principalmente por carboidratos complexos - tão complexos, na verdade, que não podem ser quebrados pelas enzimas em seu corpo. Existem dois tipos de fibra, solúvel e insolúvel. A fibra solúvel permanece suspensa na água, enquanto a fibra insolúvel, não. A fibra solúvel, encontrada em aveia, cevada, cereais, maçãs e frutas cítricas, retarda a absorção da glicose e reduz o colesterol e a velocidade em que o alimento se move nos intestinos. A fibra insolúvel, encontrada em todas as frutas, verduras, legumes e sementes, também retarda a absorção da glicose e reduz a quebra do amido, mas aumenta a velocidade em que o alimento se move nos intestinos.

Proteína

O segundo maior nutriente necessário ao corpo é a proteína. A proteína dos alimentos que você ingere (carnes, aves, peixes, feijão, laticínios e ovos) é quebrada em aminoácidos pelo seu corpo; somente 50% dela, aproximadamente, são finalmente substituídos por glicose. Contudo, esse é um processo longo: leva cerca de três a cinco horas, após uma refeição, para a proteína que você ingeriu ter qualquer impacto na glicose do sangue.

O peixe é uma excelente fonte de proteína <br>pobre em gordura para combater a diabetes.


2006 Publications International, Ltd
.

O peixe é uma excelente fonte de proteína
pobre em gordura

Gordura O terceiro nutriente necessário ao corpo é a gordura.Ela é usada para manter a pele e os cabelos saudáveis, armazenar as vitaminas solúveis em gordura pelo corpo e é a maior fonte de energia, quando você ingere menos calorias do que seu corpo precisa. As gorduras são transformadas pelo seu corpo em ácidos gordurosos, uma importante fonte de energia para os músculos e o coração. Geralmente, leva em média de seis a oito horas para a gordura do alimento ser digerida, e seus componentes são liberados lentamente no sangue. No final, somente cerca de 5 a 10% da gordura que você come são convertidos para glicose, então, ela tem pouco impacto direto nos seus níveis de glicose no sangue.

Indiretamente, entretanto, a gordura exerce um papel importante no aumento da glicose no sangue, pois bloqueia a ação da insulina (os ácidos gordurosos elevam a resistência à insulina) e aumenta o tempo para o alimento percorrer os intestinos. Por exemplo, se no jantar você comer frango frito, purê de batata, molho de carne e biscoitos, pode ser que não haja muita alteração da sua glicose antes de deitar-se. Durante a noite, entretanto, quando essa refeição gordurosa, de movimento lento, finalmente chegar ao sangue e a gordura não permitir que sua insulina funcione muito bem, seu nível de glicose no sangue aumentará. Pela manhã, você acorda com o nível de glicose no sangue lá em cima.

Em seguida, exploraremos o impacto do álcool na dieta para diabetes.