Recuperação da diástase

Autor: 
Alvin Eden, M.D., e Elizabeth Eden, M.D.

O tempo de recuperação é bastante individualizado. Depende do corpo que você tinha antes e durante a gestação, além da quantidade de esforço, tempo e planejamento que você pretende dar a ele. Se seu abdômen era forte e você o exercitava regularmente antes e durante o período de gestação, um a dois meses (no máximo, três meses devem ser suficientes para seu corpo voltar ao normal).

Por outro lado, se ele não era forte e você não fazia exercícios com freqüência, então, talvez leve entre 6 e 12 meses de exercícios regulares para você recuperar a forma de antes (esse tempo é determinado presumindo-se que você faça abdominais de quatro a seis dias por semana).

O que aconteceria se você fizesse exercícios regulares pela primeira vez na vida durante a gestação? Eles seriam uma vantagem inicial para o período pós-parto. Entretanto, o crescimento do bebê não permite que você faça exercícios abdominais da mesma maneira que fazia antes da gestação. Nesse caso, para se ter um abdômen firme e forte, são necessários de três a seis meses (que é ainda mais rápido do que se não tivesse se exercitado durante a gestação).

O tempo que leva para voltar à antiga forma depende do corpo que você tinha antes da gestação.
2006 Publications International, Ltd.
O tempo que você leva para voltar
à antiga forma depende também do corpo que você tinha antes da gestação

Se você nunca fez exercícios e resolver fortalecer novamente sua parede abdominal, não há como estimar a demora do processo. Na verdade, o abdômen de algumas mulheres nunca volta ao normal. A verdade é que você precisa fazer a sua parte para melhorar sua forma física. Mas os exercícios afetam mais do que a aparência. Com uma série lenta de abdominais, você provavelmente sentirá dores nas costas e fadiga.

O abdômen faz 40% do trabalho envolvido no apoio de seu corpo nos movimentos diários. Se fizesse apenas 10%, os músculos das costas pegariam a carga - ou tentariam de qualquer maneira. Os músculos das costas são responsáveis por 60% do trabalho de manter o corpo ereto e ajudar a levantá-lo, movê-lo e dobrá-lo. Aumente essa carga de trabalho 10 a 30% e os músculos responderão ficando cansados com mais rapidez e com a ocorrência de espasmos doloridos, especialmente na região lombar.

Às vezes, os músculos da região lombar ficam tão curtos que o ângulo normal da inclinação pélvica muda. Esses músculos curtos comprimem os nervos que saem da espinha na região lombar. Esses nervos se dividem e se ramificam para cada perna. É possível que você sinta dor na região lombar, em uma ou nas duas nádegas e em uma ou nas duas pernas (parte superior ou totalmente).

Outros fatores a considerar ao estimar o tempo de recuperação são: quanto você engordou e quanto sua parede abdominal aumentou (em parte, devido ao tamanho do bebê e à forma como você carregou a criança). Outros fatores são dieta, quantidade de repouso que você fez e tipos de atividades que realizou.

A diástase após a gestação ocorre com certa freqüência. Embora as complicações possam ser graves, o tratamento pode ser fácil e divertido. Seguir as recomendações desse artigo ajudará você a rapidamente deixar seu abdômen como era antes de engravidar.

SOBRE OS AUTORES: Dr. Alvin Eden trabalha como professor clínico de pediatria na Faculdade de Medicina de Weil, da Universidade de Cornell, em Nova Iorque. É presidente do Departamento de Pediatria do Centro Médico Wyckoff Heights, no Brooklyn. É também autor de vários livros de pediatria, incluindo Positive Parenting and Growing Up Thin. Dra. Elizabeth Eden é obstetra e atua em seu próprio consultório em Nova Iorque. Trabalha como médica responsável no Hospital Tisch do Centro Médico da Universidade de Nova Iorque e como professora assistente clínica na Escola de Medicina da Universidade de Nova Iorque.

Esses dados são apenas informativos. ELES NÃO TÊM O OBJETIVO DE PROPORCIONAR ORIENTAÇÃO MÉDICA. Nem os editores de Consumer Guide (R), Publications International, Ltda., nem o autor, nem a editora se responsabilizam por quaisquer conseqüências possíveis oriundas de tratamento, procedimento, exercício, modificação alimentar, ação ou aplicação de medicação resultante da leitura ou aplicação das informações aqui contidas. A publicação dessas informações não constituem prática de medicina e elas não substituem a orientação de seu médico ou de outro profissional da área médica. Antes de se submeter a qualquer tratamento, o leitor deve procurar atendimento médico ou de outro profissional da área da saúde.