A ligação entre síndrome metabólica e diabetes

Autor: 
Dr. Dana Armstrong e Dr. Allen Bennett King

Como a síndrome metabólica está relacionada à diabetes? Não há ainda uma resposta definitiva para essa pergunta.

Evidentemente, a necessidade contínua das células beta do pâncreas de produzirem insulina força essas células além do limite. Também pode haver algum subproduto tóxico da secreção de insulina que se acumula nas células beta, causado pela formação de ácidos graxos e pelo aumento dos níveis de glicose. Isso pode envenenar lentamente as células beta. E, finalmente, acredita-se que a genética possa ter algum papel desconhecido.

O avanço da idade, o aumento do peso e o sedentarismo aumentam a resistência à insulina, levando a níveis cada vez mais altos de insulina, de ácidos graxos livres e de glicose no sangue. Durante um "período assintomático", o corpo fica exposto a essas toxinas, o que pode favorecer o aparecimento de pressão alta e dislipidemia. Em 20% das pessoas que têm a síndrome X, as células beta perdem lentamente a capacidade de produzir insulina e o primeiro sinal da diabetes a aparecer é o grande aumento dos níveis de glicose no sangue após uma refeição. Nesse estágio, a diabetes somente é detectada por um teste oral de tolerância à glicose.

Se não for diagnosticada logo, em um período de 5 a 10 anos, os níveis elevados de glicose e de ácidos graxos livres levam a uma diminuição ainda maior da capacidade de secreção de insulina pelo pâncreas. O pâncreas começa a parar de funcionar, sobrecarregado pela necessidade da insulina de controlar os níveis cada vez maiores de glicose. O aumento dos níveis de glicose, então, podem ocorrer mesmo em jejum - ao acordar de manhã e antes das refeições. Se os níveis de glicose, em jejum, estiverem acima de 180 mg/dia, os sintomas da diabetes geralmente aparecerão e o mais indicado é procurar um médico. Geralmente, nesse ponto, a pessoa já apresenta a síndrome metabólica há mais de 10 anos.

Uma combinação poderosa para as artérias

A combinação entre síndrome metabólica e diabetes causa a aterosclerose, doença nos vasos sangüíneos também conhecida como endurecimento das artérias. O colesterol se deposita nas paredes das artérias, pois há uma grande quantidade de colesterol LDL no sangue e poucas moléculas de HDL. O colesterol LDL se oxida, o que o torna mais irritativo para a artéria, geralmente levando a uma inflamação localizada da parede arterial.

Essa irritação, assim como o acúmulo de gordura do colesterol LDL, enfraquece a parede da artéria. A parede conseqüentemente se rompe, causando uma irregularidade no revestimento normalmente liso do vaso sangüíneo. As plaquetas e os fatores de coagulação no sangue vêem essa ferida e se prendem a ela, o que pode levar a uma obstrução repentina de um vaso sangüíneo. Se essa obstrução, ou coágulo, ocorrer nas artérias do coração (artérias coronarianas), ela provocará um ataque cardíaco súbito.

Se a obstrução se desenvolver mais lentamente, provavelmente ela causará angina. Um coágulo que se forma nas artérias do cérebro (artérias cerebrais), poderá causar tanto um ataque isquêmico temporário (se a obstrução desaparecer rapidamente), ou um derrame. Em qualquer caso, haverá o aparecimento repentino de cegueira parcial, fraqueza, dormência ou incapacidade de falar. Se a obstrução ocorrer nas artérias do rim, não haverá sintomas aparentes imediatos. Entretanto, o nível de creatinina no sangue, usado para avaliar o funcionamento do rim, pode piorar gradualmente. Isso indica que houve alguma lesão. Se esse mesmo tipo de obstrução ocorrer subitamente em uma artéria da perna, você sentirá uma forte dor e a perna ficará sem circulação.

Muitas vezes, a obstrução da artéria da perna acontece lentamente, o que é conhecido como claudicação. O sintoma da claudicação é dor na panturrilha ou no quadril sob esforço e que, normalmente, alivia com repouso. Em uma pessoa que não é fisicamente ativa, os únicos sintomas da claudicação podem ser dedos avermelhados ou arroxeados quando estiver sentada com os pés para baixo, perda dos pêlos da perna, afinamento da pele dos pés ou úlcera no pé. A maioria das pessoas com síndrome metabólica e diabetes tem aterosclerose.

Por essa razão, é muito importante que você evite e/ou detecte e trate essa doença. Com bastante freqüência, os sintomas de problemas cardíacos poderão ser vagos ou simplesmente nem ocorrer. Se você sente algum desconforto no peito, procure um médico. Pode ser feito um eletrocardiograma (ECG) para detectar um problema no funcionamento do coração.

Embora seja uma ferramenta importante, o ECG não é muito sensível nem específico, por isso, pode ser que você precise fazer um teste ergométrico, em que o funcionamento do coração é monitorado à medida que você anda em uma esteira. Dependendo dos fatores de risco e dos sintomas, o médico também pode solicitar um cateterismo (teste em que uma tinta é injetada nos vasos sangüíneos para visualizar qualquer estreitamento ou bloqueio). Da mesma forma, se você sentir quaisquer sintomas de perda de visão repentina e passageira em um olho ou fraqueza temporária em qualquer um dos olhos, procure um médico imediatamente.

Ele tentará detectar estreitamento nos vasos sangüíneos. O médico pode pedir exames das artérias carótidas para localizar quaisquer obstruções. Além disso, se você notar algum sintoma de claudicação, não esqueça de relatá-lo ao médico, para que possam ser feitos exames médicos apropriados para detectar quaisquer bloqueios.

A grande pergunta é, como a síndrome metabólica pode ser tratada? Leia a próxima seção para saber a resposta.

Para obter mais informações sobre a diabetes, acesse os links a seguir. 

  • Diabetes tipo 2: neste artigo você aprenderá sobre esse tipo de diabetes, que costumava ser chamado de "diabetes adquirida na vida adulta".
  • Sintomas da diabetes tipo 2 (em inglês): aqui você aprenderá sobre alguns sintomas e complicações da diabetes tipo 2 e aprenderá como tratá-los.
  • Diabetes: neste artigo você encontrará artigos sobre os vários tipos de diabetes, incluindo causas, diagnóstico, sintomas e tratamento. 
     

Esses dados são apenas informativos. ELES NÃO TÊM O OBJETIVO DE PROPORCIONAR ORIENTAÇÃO MÉDICA. Nem os editores de Consumer Guide (R), Publications International, Ltd., nem o autor, nem a editora se responsabilizam por quaisquer conseqüências possíveis oriundas de tratamento, procedimento, exercício, modificação alimentar, ação ou aplicação de medicação resultante da leitura ou aplicação das informações aqui contidas. A publicação dessas informações não constitui prática de medicina, e elas não substituem a orientação de seu médico ou de outros profissionais da área médica. Antes de se submeter a qualquer tratamento, o leitor deve procurar atendimento médico ou de outro profissional da área da saúde.