Causas da demência: doença de Alzheimer e demência vascular

Autor: 
Molly Edmonds

Embora se acredite que os elefantes nunca esquecem, os seres humanos não têm a mesma sorte. À medida que envelhecemos, os neurônios se contraem, e as substâncias químicas que transmitem as mensagens entre eles são emitidas em quantidades menores. Consequentemente, todo mundo provavelmente passará pela terrível experiência de não saber onde guardou a chave do carro ou de perceber que se esqueceu de um compromisso importante. Isso é conhecido como enfraquecimento da memória associado à idade.

Quando começa esse declínio cognitivo, muitas pessoas ficam preocupadas porque acham que podem ter doença de Alzheimer ou algum outro problema. Mas a demência é um declínio mental significativo que persiste com o tempo, e, embora a perda de memória seja o sintoma mais distintivo, várias outras partes do cérebro também são afetadas. A demência não é diagnosticada até que haja perda de memória em conjunto com uma ou mais funções cerebrais limitadas descritas a seguir:

  • afasia, ou perda da capacidade de produzir ou compreender a linguagem;
  • apraxia, ou incapacidade de fazer certos movimentos, apesar do corpo saudável;
  • agnosia, ou problema para reconhecer familiares e objetos, mesmo que os sentidos estejam funcionando;
  • disfunção executiva, ou incapacidade de planejar, organizar ou raciocinar.

 

Mulher com doença de Alzheimer
© istockphoto.com / Alexander Raths
Mulher com doença de Alzheimer

Esses sintomas geralmente eram considerados efeitos de doença mental, além de carregarem uma marca de vergonha. Os efeitos podem ser irritantes e desconfortáveis para as pessoas ao redor, mas os sintomas são causados por vários distúrbios que afetam o cérebro. A doença mais comum que leva à demência é a de Alzheimer, responsável por aproximadamente 50 a 70% de todos os diagnósticos de demência [fonte: Agronin (em inglês)].

Assim como acontece com outras demências, a doença de Alzheimer faz com que o cérebro se degenere, já que as células nervosas são destruídas, e as ligações entre elas, reduzidas. Ela atinge primeiro o hipocampo, onde as lembranças recentes são armazenadas, e avança pelo cérebro até afetar os padrões de fala e julgamento e, finalmente, todas as formas de memória. A doença de Alzheimer se distingue pela presença de emaranhados neurofibrilares e placas amilóides no cérebro, mas os médicos não sabem ao certo se essas anormalidades são a causa ou o subproduto da doença. Os médicos também não têm certeza sobre a causa da doença, embora a genética provavelmente tenha um papel importante, particularmente as anormalidades em uma proteína chamada apolipoproteína E. Após receber o diagnóstico da doença de Alzheimer, o paciente pode viver por mais 10 anos, embora seja mais comum de 3 a 5 anos [fonte: Beers]. Você pode obter mais informações sobre essa doença em Como funciona a doença de Alzheimer.

Cerca de 30% dos pacientes com doença de Alzheimer também apresentam demência vascular. Ela é a segunda causa mais comum de demência, responsável por pouco mais de 20% dos casos desse distúrbio [fonte: Judd]. A demência vascular geralmente é resultado da lesão cerebral causada por um acidente vascular cerebral (AVC), que ocorre quando um coágulo sangüíneo ou uma hemorragia interrompe o suprimento de sangue do cérebro. Às vezes, basta um AVC para provocar a lesão, conhecida como demência por infarto único. Entretanto, o que ocorre com mais freqüência é que um pequeno acidente vascular cerebral não é prejudicial, mas o efeito cumulativo destrói tanto o tecido do cérebro que a memória, a linguagem e outras funções cognitivas são afetadas. Isso é conhecido como demência por múltiplos infartos.

Nem todo acidente vascular cerebral provoca demência, mas quando provoca, os sintomas aparecem logo em seguida. Os pacientes com demência vascular podem apresentar alguma melhora entre os acidentes vasculares, mas pioram repentinamente se ocorrer outro. Ela é semelhante à doença de Alzheimer quanto à perda de memória, e a capacidade de concluir tarefas básicas fica comprometida, mas fatores como julgamento e personalidade não são afetados. Esse tipo de demência também inclui alguns sintomas não-cognitivos, como incontinência urinária ou fecal, além de fraqueza ou paralisia do rosto ou de um lado do corpo.

Infelizmente, ainda não estamos satisfeitos com as causas da demência, por isso, vá para a outra página e descubra outras doenças que podem afetar o cérebro.