Pressão alta e gravidez

Autor: 
Editores do Consumer Guide

Se você foi diagnosticada com pressão alta e ficou grávida, vá ao médico o mais rápido possível para discutir maneiras de controlar o problema durante a gravidez. Se possível, converse com o médico antes de ficar grávida. Suas chances de ter uma gravidez saudável aumentam se sua pressão arterial estiver bem controlada antes de engravidar.

Durante a gravidez, o volume de sangue em seu corpo aumenta de 40 a 60%, colocando uma grande quantidade de pressão adicional em seu coração. Talvez em razão desse aumento de volume sangüíneo, muitas mulheres grávidas que nunca tiveram problema com a pressão desenvolvem pressão alta, um problema chamado de hipertensão induzida pela gravidez.

As preocupações com a hipertensão na gravidez são duas: primeiro, o problema é extremamente perigoso, com risco de derrame, pré-eclâmpsia (uma doença que causa ganho repentino de peso, excesso de retenção de líquidos, visão embaçada e outros sintomas), morte dentro do útero, parto prematuro e peso reduzido no nascimento. Segundo, pode ser difícil controlar a pressão arterial sem os remédios, e muitos remédios podem ser perigosos para o feto em desenvolvimento.

A hipertensão induzida pela gravidez é um problema relativamente comum.
2006 Publications International, Ltd.
A hipertensão induzida pela gravidez é um problema relativamente comum

Mas você pode fazer o máximo para limitar esses riscos: basta fazer um bom tratamento pré-natal (começando assim que souber que está grávida, ou até antes) e seguir as instruções de seu médico rigorosamente. E lembre-se de conversar com seu médico antes de experimentar quaisquer tipos de tratamentos ou de fazer mudanças alimentares durante sua gravidez.

Esperamos que este artigo tenha lhe convencido de que a pressão alta é um problema muito sério e não deve ser levado na brincadeira. Se for diagnosticada com hipertensão, comece a tomar as medidas para proteger seu coração o mais rápido possível. Também esperamos que tenha aprendido que a pressão alta não se trata de algo sem tratamento, e a maioria dos esforços que fizer vai lhe levar a um estilo de vida mais saudável e feliz.

Sintomas de derrame
Se estiver sentindo qualquer um dos seguintes sintomas de derrame, ligue para seu médico ou chame uma ambulância imediatamente. Esperar tempo demais ou não reconhecer os sinais pode ser a diferença entre a vida e a morte.
  • Se sentir um desses sintomas e melhorar dentro de 24 horas, pode ter tido um ataque isquêmico transitório, ou TIA. Um TIA é um sinal de alerta de que um derrame está a caminho. Mais uma vez, ligue para o médico ou vá ao hospital imediatamente.
  • Fraqueza repentina ou dormência do rosto, braço ou perna em um lado do corpo.
  • Diminuição de capacidade ou perda de visão repentina, especialmente em um único olho.
  • Perda da fala ou dificuldades para falar ou compreender o que ouve.
  • Dores de cabeça repentinas e fortes sem causa aparente.
  • Tontura, instabilidade ou quedas súbitas e inexplicadas, especialmente quando ocorrem com quaisquer dos sintomas já mencionados.

Publications International, Ltd.

Contribuíram para a elaboração deste artigo:

Timothy Gower, escritor e editor free-lance, e seu trabalho já apareceu em muitas publicações, incluindo Reader's Digest, Prevention, Men's Health, Better Homes and Gardens,The New York Times e The Los Angeles Times. Autor de quatro livros, Gower também é editor colaborador da revista Health.

Betsy A. Hornick, M.S., R.D., nutricionista certificada especializada em educação e comunicação nutricional. Contribuiu para várias publicações sobre saúde e nutrição, tanto para consumidores como para profissionais da área, incluindo The Weight Loss Bible, The Healthy Beef Cookbook e inúmeros outros materiais publicados pela American Dietetic Association (Associação Nutricional Americana.) Também contribui regularmente para a revista Diabetic Cooking.

Alice Lesch Kelly mora em Boston e escreve sobre saúde. Seu trabalho foi publicado em revistas como Shape, Fit Pregnancy, Woman's Day, Reader's Digest, Eating Well e Health. É co-autora de três livros sobre a saúde da mulher.

Ivan Oransky, M.D., editor substituto de The Scientist (www.the-scientist.com - site em inglês). É
autor ou co-autor de quatro livros, incluindo The Common Symptom Answer Guide (O guia de respostas para os sintomas comuns - McGraw-Hill, 2004) e já escreveu em publicações como o Boston Globe, The Lancet e USA Today. Ele possui os títulos de professor-assistente de medicina e professor-adjunto de jornalismo da Universidade de Nova York.

Eric Yarnell, N.D., R.H. (A.H.G.), médico naturopata e fitoterapeuta certificado, especializado em urologia e saúde do homem. Também é professor-assistente no departamento de medicina botânica na Universidade Bastyr, em Seattle, e é o presidente da Botanical Medicine Academy (Academia de Medicina Botânica). É autor de vários livros didáticos, incluindo Naturopathic Gastroenterology (Gastroenterologia naturopata), Naturopathic Urology and Men's Health (Saúde do homem e urologia naturopata) e Clinical Botanical Medicine (Medicina botânica clínica) e escreve uma coluna regular sobre fitoterapia para a Alternative and Complementary Therapies.

Esses dados são apenas para fins de informação. E NÃO DEVEM SER CONSIDERADOS COMO CONSELHOS MÉDICOS. Nem os editores do Consumer Guide (R), Publications International, Ltd., o autor ou a editora assumem responsabilidade por quaisquer conseqüências decorrentes de qualquer tratamento, procedimento, exercícios, alterações de dieta, ação ou aplicação de medicamentos utilizados após ler ou seguir as informações contidas neste artigo. A publicação dessas informações não constitui a prática de medicina, e elas não substituem o conselho de seu médico ou outro profissional da saúde. Antes de se submeter a qualquer tratamento, o leitor deve procurar o aconselhamento de seu médico ou outro profissional da saúde responsável.