Preparando o animal de estimação da família para um novo bebê

Autor: 
Michael Meyerhoff, Ed.D.

Não, o seu gato não vai sufocar o bebê no berço. Este mito remonta à época das bruxarias, quando a mortalidade infantil era alta e os padrões de higiene baixos. Quase todo mundo parece se lembrar de ter visto um gato no berço de um bebê que morreu em seguida. O animal, subalimentado, provavelmente foi atraído para o berço pelo cheiro de leite. Um gato, ou qualquer outro animal, é incapaz de selar completamente a boca e o nariz do bebê e não poderia, portanto, sufocá-lo.

Lembre-se, em seguida, de apresentar o bebê ao bichinho de estimação.
Publications International, Ltd., 2006.
Quando você reserva um tempo para apresentar
o bebê ao seu animal de estimação, um
laço especial vai se formar entre eles

É prudente considerar, no entanto, as possíveis reações do seu gato ou cachorro. Se você não tem outros filhos e o animal está com você há algum tempo, provavelmente ele está acostumado a ser o "bebê", um valoroso e querido membro da casa, e pode muito bem ficar com ciúmes de um rival na sua atenção. O animal provavelmente vai se adaptar rápido e aprender a gostar do bebê tanto quanto ele gosta de você. Você pode assegurar esta aceitação preparando o seu bichinho para o bebê, usando as dicas que daremos nesta seção.

Considere, primeiro, um treinamento de obediência para o cachorro que não atende aos seus comandos para sentar, parar, ficar quieto ou que você não consegue impedir de saltar nas pessoas ou nos móveis. Se o seu gato ou cachorro não está acostumado com crianças, tente providenciar para que ele passe um tempo com um bebê, ocasionalmente. Acelere o processo de reconhecimento do animal com o bebê trazendo para casa algo que o bebê tenha usado no hospital, assim o gato ou o cachorro se familiariza com o odor. Alguns pais põem uma fralda de pano ou um cobertor pequeno no berço do hospital para pegar o cheiro do bebê. Quando você voltar para casa com o bebê, tente passar alguns minutos sozinha com o bichinho para reafirmar o seu amor, exatamente como você faria com uma criança mais velha.

É claro que você não quer nem o mais amoroso dos gatos ou cachorros perto do berço do seu filho. Se você não treinou o seu cachorro para ficar longe de camas e outros móveis, ou se seu gato mostrar interesse em pular dentro do berço para investigar o recém-chegado, bloqueie a porta do quarto do bebê com o cercadinho que depois você vai usar para impedir o seu filho de cair nas escadas ou outros perigos. Se isto não funcionar (como provavelmente não vai, com um gato ágil), outra opção é substituir a porta do quarto do bebê por uma tela. Ambas as opções permitem que você enxergue dentro do quarto ao mesmo tempo em que mantém longe o bichinho.

As alergias do bebê

A possibilidade de o seu gato ou cachorro não se adaptar ao bebê e precisar ser banido de casa é remota, mas as chances de o bebê ser alérgico ao animal podem não ser. Cerca de uma em cada cinco crianças desenvolve alergias a alguma outra substância. Pólen, comida ou poeira podem ser responsáveis -- mesmo as bactérias que sobrevivem no seu colchão d'água - assim como qualquer coisa que possa ser tocada, ingerida ou aspirada, incluindo as pequenas partículas de pêlo ou pele (caspa) suspensas no ar da sua casa. Em geral, a tendência para alergias é herdada, mas as alergias específicas nem sempre tomam a mesma forma em todos os membros da família. Por exemplo, você pode ser sensível a certos alimentos ou a uma planta que floresce em dada época do ano, mas não a animais. Seu filho pode herdar sua tendência a alergias mas reagir, pelo menos durante a infância, apenas a animais.

Os sintomas da alergia ao pêlo animal são semelhantes àqueles da coriza causada por pólen de árvores, gramíneas ou outras plantas. No início, você pode confundi-los com os sintomas de um resfriado: prurido, escorrimento nos olhos e no nariz, uma rigidez da cabeça, uma infecção de ouvido ou talvez até um pouco de chiado na respiração. Se você desconfiar que o desconforto do bebê está sendo causado por alergia ao seu animal de estimação, procure o médico. Até que alguma coisa seja feita, os sintomas vão aumentar e podem causar insônia, perda de apetite, inflamação nos olhos, ouvidos, seios da face, garganta e brônquios e talvez até um ataque de asma. Infelizmente, a única solução é tirar o animal de casa. As alergias mudam conforme as pessoas envelhecem e talvez, no futuro, seu filho se livre dessa e possa aproveitar as vantagens de ter um gato ou um cachorro.

Tenha consciência de que insetos, como pulgas, e até algumas doenças podem ser transmitidas para as crianças pelos animais de estimação. Mantenha o seu limpo e livre de insetos. Lave bem as suas mãos depois de manusear ou remover a sujeira do seu bichinho. Peça orientação ao seu veterinário se o seu gato ou cachorro estiver doente.

Se você preparar o seu bichinho e der um tempo para ele se adaptar àquela "coisa" barulhenta e inquieta que invadiu a sua casa, há boas chances de que ele adore o bebê e que o bebê também o adore.

Se você fez a lição de casa e preparou todo mundo para a chegada do bebê, apresentá-lo à família pode ser uma ocasião maravilhosa! Tente ser paciente com todos os seus entes queridos e lembre-se de que eles querem o que eles acham que é o melhor para você e para o seu recém-nascido

Publications International, Ltd.

Estes dados têm propósito unicamente informativo. NÃO SE PRETENDE DAR ORIENTAÇÃO MÉDICA. Os redatores do Consumer Guide, a Publications International Ltd., o autor e o editor não têm responsabilidade pelas possíveis conseqüências de qualquer tratamento, procedimento, exercício, alteração alimentar, ação ou aplicação de medicamento que resultem da leitura das informações contidas neste informe. A publicação destes dados não configura prática da medicina e eles não substituem as recomendações do seu médico ou outro assistente de saúde. Antes de iniciar qualquer tratamento, o leitor deve procurar orientação com seu médico ou outro assistente de saúde.