Alternando os locais de aplicação de insulina

Autor: 
Timothy Gower

Se você aolica uma agulha sempre no mesmo lugar, dia após dia, um fato interessante acontece: a picada da agulha dói menos. Ainda assim, você deve resistir à tentação de estabelecer um local permanente para as aplicações.

Aqui está a razão: a insulina faz a gordura se acumular. Se você injeta insulina repetidamente no mesmo lugar, a pele ao redor pode ficar inchada e encaroçada. Esse problema é tão comum que os médicos lhe deram um nome: lipohipertrofia, que significa basicamente "aumento da gordura subcutânea".

É importante alternar os seus locais de injeção regularmente, para assegurar a absorção rápida e eficiente da insulina no seu sistema.
2007 Publications International, Ltd.
É importante alternar regularmente os locais de aplicação, para assegurar a absorção rápida e eficiente da insulina no sistema

Em uma estimativa simples, até 30% das pessoas com diabetes tipo 1 desenvolvem lipohipertrofia. Não é apenas um problema cosmético, embora você provavelmente não vá usar uma roupa de banho na praia se o tiver. Como a gordura necessita de bom suprimento dos vasos sangüíneos, ela faz um péssimo trabalho na absorção da insulina e, com o passar do tempo, a sua dose usual não irá baixar adequadamente os níveis de açúcar do sangue. Os médicos freqüentemente descobrem que, quando pacientes diabéticos de longa data que aplicam insulina desenvolvem problemas com o controle da glicose, a lipohipertrofia é a culpada.

Adotar algumas medidas simples prevenirá esses caroços desagradáveis e feios. Os fazendeiros alternam as colheitas para dar à terra algum descanso. Faça o mesmo com os seus locais de injeção. Existem quatro locais no seu corpo que são excelentes para aplicar insulina: o abdomee é o melhor - ele absorve a insulina mais rapidamente. A parte superior lateral dos braços é a segunda melhor escolha, seguida pelas laterais das coxas. No final da lista, está a nádega. Esses locais são bons alvos para a agulha porque têm relativamente poucos nervos e artérias principais, que você não quer perfurar.

Mas não alterne os locais de aplicação de forma aleatória. Lembre que tipos diferentes de insulina são absorvidos pelo corpo em velocidades diferentes, então o local que você escolher influenciará a rapidez com que a insulina entra na corrente sangüínea. Em geral, você descobrirá que é melhor aplicar insulina bolus antes das refeições no abdomee, de modo que ela possa ir direto ao trabalho, deixando as nádegas para insulinas de longa duração. A melhor aposta: trabalhe em conjunto com o seu médico para criar um plano de rodízio dos locais de aplicação.

Aqui vai uma outra boa dica para se ter em mente: toda vez que você voltar ao local da injeção, faça a nova aplicação a 2,5cm (ou em torno de dois dedos) da aplicação anterior.

Para mais informações sobre insulina e diabetes, visite os links abaixo.

  • Visite o artigo sobre insulina (em inglês) para aprender sobre os tipos de insulina e seus vários sistemas de aplicação.
  • Para aprender mais sobre diabetes em geral, incluindo diagnóstico, causas, sintomas e tratamento, visite este artigo sobre diabetes.
  • O artigo sobre diabetes tipo 1 fornece uma visão geral detalhada desse tipo de diabetes.
  • Para uma descrição das opções de tratamento especificamente para os diabéticos tipo 1, confira Tratamentos da diabetes tipo 1 (em inglês).

SOBRE OS AUTORES: Timothy Gower é um escritor freelance e o autor de vários livros. O seu trabalho apareceu em muitas revistas e jornais, incluindo Prevention, Health, Reader's Digest, Better Homes and Gardens, Men's Health, Esquire, Fortune,The New York Times, e The Los Angeles Times.

SOBRE OS CONSULTORES: Dana Armstrong, R.D., C.D.E., recebeu seu diploma em nutrição e dietética da University of California, Davis, e completou a sua residência em dietética no University of Nebraska Medical Center em Omaha. Ela desenvolveu programas educacionais que beneficiaram mais de 5.000 pacientes com diabetes. Ela é especialista e fala nacionalmente sobre abordagens para o tratamento de doenças, especificamente diabetes. Allen Bennett King, M.D., F.A.C.P., F.A.C.E., C.D.E. é o autor de mais de 50 trabalhos em ciência médica e dá palestras em todo país sobre novos avanços em diabetes. Ele é professor clínico associado no University of California Natividad Medical Center e co-fundador e diretor médico do Diabetes Care Center em Salinas, Califórnia.

Essas orientações são apenas para propósitos informativos. NÃO PRETENDEM FORNECER ACONSELHAMENTO MÉDICO. Os editores, o autor e a editora do Consumer Guide (R), Publications International, Ltd., não assumem responsabilidade por quaisquer conseqüências de qualquer tratamento, procedimento, exercício, modificação na dieta, ação ou aplicação de medicamento que resultem da leitura ou observância das informações aqui contidas. A publicação dessa informação não constitui a prática da medicina, e não substituiu o conselho do seu médico ou outro profissional de saúde. Antes de adotar qualquer tipo de tratamento, o leitor deve procurar o aconselhamento de seu médico ou outro profissional de saúde.