Como escolher um médico especialista

Autor: 
Editores do Consumer Guide

Ao procurar um especialista, devemos nos lembrar de que a maioria deles recebe seus pacientes por referências de clínicos gerais ou de outros especialistas. No Brasil, no Sistema Único de Saúde (SUS), a porta de entrada é pelo médico generalista, clínico geral, pediatra ou médico de família e esse profissional faz o encaminhamento aos especialistas quando necessário.

Nos planos e seguro de saúde há duas possibilidades: o paciente passa pelo médico geral antes do encaminhamento aos especialistas, ou o que ocorre com a grande maioria, marcam a consulta diretamente com o especialista. 

O médico de família ou o clínico geral usualmente decidem se há necessidade ou não de consultar um especialista. Por exemplo, uma ligeira inflamação no canal auditivo pode ser tratada pelo médico de família ou clínico geral, plenamente qualificados para tal. Caso seja uma inflamação crônica no canal auditivo ou uma eventual perda parcial da audição, o clínico geral provavelmente recomendará que um otorrinolaringologista (especialista em ouvidos, nariz e garganta) examine o paciente.

Algumas vezes pode ser difícil determinar o tipo de médico especialista necessário para diagnóstico e tratamento de um problema específico. Por exemplo, os problemas visuais podem estar limitados ao olho propriamente dito, mas podem também ser resultado de muitas outras coisas, como diabetes, aterosclerose, derrames ou tumores na parte do cérebro que controla a visão.

O corpo humano é um sistema vivo. As mudanças em uma parte do sistema afetam outras partes e nenhuma delas funciona isoladamente. Por causa disso, a primeira tarefa no tratamento de uma doença é descobrir sua causa primária. Encontrando-se a causa pode-se recorrer ao médico especialista da área específica do corpo que esteja sendo mais afetada pelo problema. Mas, na grande maioria das vezes, o próprio clínico geral está apto a realizar o tratamento, se for um problema simples.

A primeira coisa a fazer na seleção do especialista é seguir a recomendação do clínico geral que acompanha o paciente. Ele saberá se um especialista é necessário. Entretanto, sempre é possível pedir uma segunda opinião, ou buscar um especialista por nossa própria iniciativa.

Você também pode pesquisar sobre a própria doença, ou a queixa que está afetando um membro da família. É possível encontrar até mesmo algo que os médicos tenham deixado escapar. Se o médico de família nos recomenda um especialista, ou se por nossos próprios esforços encontrarmos um, é importante saber em que consiste um especialista, e o que pode se esperar dele. Depois de tudo, conhecimento é o fator essencial que procuramos quando buscamos um especialista.