Como a diabetes afeta os pés

Autor: 
Timothy Gower

Não adianta ignorar: a diabetes pode significar um grande perigo para seus pés. Ter diabetes dobra o risco de problemas nessa parte do corpo. Na verdade, cerca de 30% dos diabéticos acima de 40 anos de idade desenvolvem problemas nos pés. Com os nervos prejudicados e a má circulação sangüínea que geralmente acompanha o nível elevado de açúcar no sangue, não existem cortes, arranhões, batidas ou ferimentos pequenos quando se tem diabetes.

Os problemas com açúcar no sangue podem criar uma longa lista de complicações de difícil tratamento, mas as doenças dos membros inferiores que não forem tratadas adequadamente podem causar deterioração tão rápida e grave que os médicos não têm outra opção senão eliminar o problema por completo. Isso quer dizer que as pessoas diabéticas são 60% dos pacientes que sofrem amputações de membros inferiores nos Estados Unidos. Na verdade, um diabético é de 10 a 30 vezes mais propenso de ter um membro inferior amputado do que uma pessoa sem diabetes.

Os pés

Para duas partes do corpo que sofrem pressão diariamente, os pés são estruturas incrivelmente complexas. Seus dois pés juntos possuem mais de um quarto dos ossos do corpo, 26 em cada um deles. Embora constituam a base do corpo, os pés não são blocos estáticos, e sim máquinas de movimento ágeis e dinâmicas, com mais 100 tendões, músculos e ligamentos cada. Por sua carga de trabalho e todas as partes que se movimentam, não é de admirar que cerca de 75% dos norte-americanos possuam uma ou outra doença nos pés na vida, de acordo com a Associação Médica Podologista Norte-americana (podologistas são médicos dos pés).

Radiografia dos pés
Seus pés são particularmente vulneráveis à destruição pela diabetes

Os pés e a diabetes

O nível elevado de glicose pode danificar o sistema nervoso, a fiação que transmite sinais do cérebro para todo o corpo. O sistema nervoso também funciona de maneira contrária: detecta informações sobre o ambiente e como ele afeta o corpo através dos cinco sentidos. A disfunção nos nervos, ou neuropatia, pode levar a uma série de problemas físicos e deficiências em qualquer parte do corpo. Porém, as disfunções nos nervos e outras doenças que afetam os pés (e a parte inferior das pernas) podem ser as complicações mais freqüentes associadas à diabetes. Além disso, as diversas doenças dos pés relacionadas a diabetes podem ser as complicações que os pacientes mais temem.

Sintomas desconfortáveis e dolorosos podem ocorrer quando o cérebro não consegue enviar corretamente as mensagens aos pés. Mas a maior ameaça da neuropatia diabética ocorre quando os pés não conseguem enviar informações para o cérebro por estarem paralisados pela exposição exagerada a níveis elevados de açúcar do sangue. O que seus pés têm a dizer sobre o controle da missão? Bastante. Mas os cortes, as batidas e outros ferimentos que fariam você estremecer ou gritar de dor passam despercebidos quando seus pés perdem a sensibilidade.

Para piorar as coisas, os nervos paralisados não são o único problema se você tem diabetes. A doença também pode causar má circulação sangüínea. Assim como as artérias do coração, os vasos sangüíneos de qualquer parte do corpo podem ficar enrijecidos e reduzidos. Na verdade, uma em cada três pessoas diabéticas com mais de 50 anos de idade possui artérias obstruídas nas pernas, ou seja, sofre de doença arterial periférica, também denominada doença vascular periférica. Artérias com lumens reduzidos diminuem a circulação sangüínea para a parte inferior das pernas e pés, o que pode causar dor quando a pessoa percorre grandes distâncias. Também é preocupante que o fluxo sangüíneo para os pés possa impedir ferimentos e feridas de receberem o oxigênio e os nutrientes que precisam para cicatrizar, permitindo que cresçam e se espalhem.

Batidas, bolhas ou pequenos cortes ocasionais que são preocupações de saúde banais para a maioria das pessoas podem rapidamente se tornar graves para pacientes diabéticos. Se ignoradas e não tratadas, as pequenas feridas na pele do pé podem se tornar problemas graves com conseqüências devastadoras, isto é, úlceras nos pés.

Sobre o autor: Timothy Gower é um escritor freelancer e autor de vários livros. Seu trabalho apareceu em várias revistas e jornais, incluindo Prevention, Health, Reader's Digest, Better Homes and Gardens, Men's Health, Esquire, Fortune, The New York Times, and The Los Angeles Times.

Sobre os consultores: Dana Armstrong, nutricionista registrada, educadora certificada sobre diabetes, se formou em nutrição e dietética na Universidade da Califórnia, em Davis, e completou sua residência em nutrição no Centro Médico da Universidade do Nebraska, em Omaha. Em consultas particulares, durante 21 anos, ela desenvolveu programas educacionais que beneficiaram mais de 5 mil pacientes com diabetes. Ela é a co-fundadora e diretora de programa do Diabetes Care Center em Salinas, Califórnia. Allen Bennett King, membro da Academia Americana de Médicos, Membro da Academia Americana de Epidemiologia, Educador Certificado sobre Diabetes, se formou e fez residência na Universidade da Califórnia, Berkeley; na Escola de Medicina da Universidade de Creighton; no Centro Médico da Universidade do Colorado e no Centro Médico da Universida de Stanford. Ele é o autor de mais de 50 trabalhos em ciência médica e fala nacionalmente sobre os novos avanços no diabetes.

Esses dados são apenas informativos. ELES NÃO TÊM O OBJETIVO DE PROPORCIONAR ORIENTAÇÃO MÉDICA. Nem os editores de Consumer Guide (R), Publications International, Ltda., nem o autor e nem a editora se responsabilizam por quaisquer conseqüências possíveis oriundas de qualquer tratamento, procedimento, exercício, modificação alimentar, ação ou aplicação de medicação resultante da leitura ou aplicação das informações aqui contidas. A publicação dessas informações não constitui prática de medicina, e elas não substituem a orientação de seu médico ou de outros profissionais da área médica. Antes de se submeter a qualquer tratamento, o leitor deve procurar atendimento médico ou de outro profissional da área da saúde.