Comidas para focar

No trabalho, no estudo ou mesmo nas mais simples tarefas do dia a dia, manter o foco é essencial para conseguir melhores resultados. Realizar atividades, ainda que banais, quando distraído pode ser o caminho mais curto para o desastre. Muitas pessoas acabam sendo obrigadas a tomar remédios por causa disso. Todavia, nem sempre é preciso partir para soluções tão radicais.


Imagem: iStock.

Mudanças na dieta incluindo alimentos capazes de ajudar a memória e estimular o cérebro podem ser suficientes para fazer com que as pessoas tenham condições de se concentrar mais na execução de suas operações diárias tornando-se mais produtivas e menos propensas a acidentes.

Isso é de grande auxílio para quem precisa se preparar para provas como vestibulares ou períodos de testes onde a concentração na hora dos estudos é fundamental ou então tem um trabalho onde os detalhes são essenciais e nada pode passar despercebido.

A seguir, veja quais alimentos são capazes de ajudar seu cérebro e aumentar sua concentração.

Arroz integral


Foto: iStock.

Alimentos que contêm boas doses de carboidratos são muito importantes. Uma vez ingeridos, eles são transformados em açúcar. Ou seja, municiam o corpo de energia, essencial para garantir disposição e dar concentração ao cérebro. Porém, escolha os carboidratos que são ricos em fibras. Nesse grupo estão pães integrais, bolachas, massas, arroz integral, quinoa e aveia. Eles vão se transformando em glicose de forma lenta e gradual. Já os refinados lançam toda a energia no corpo imediatamente e, depois, dão uma sensação de falta de força.

Gema do Ovo


Foto: iStock.

Essa parte do ovo é rica em aminoácidos, que ajudam os neurotransmissores (as substâncias químicas que são produzidas pelos neurônios e podem enviar informações para outras células) e, consequentemente, o contrato entre os neurônios.

Chia


Foto: iStock.

Sementes de chia e outros cereais integrais como a linhaça também auxiliam na manutenção do funcionamento ideal do sistema nervoso e na comunicação entre os neurônios por serem ricos em vitaminas do complexo B. Podem ser incluídos em todas as refeições do dia.

Chá verde e café


Foto: iStock.

Possuem cafeína, que estimula o sistema nervoso central. Eles diminuem o sono e aumentam a disposição. Todavia, é preciso que sejam consumidos com cuidado. O excesso pode causar danos à memória. O limite de consumo é de quatro xícaras diárias de 200 ml.

Soja


Foto: iStock.

O segredo da soja são os fosfolipídios, especialmente a Lecitina. Essa substância atua como uma espécie de detergente para o organismo limpando os locais por onde passa. Ela também recupera o sistema nervoso e a memória. Tem ainda acetilcolina, um neurotransmissor que é importante para a memorização. Essa substância também está presente na gema do ovo e nos óleos vegetais.

Frutas


Foto: iStock.

Frutas como morango, pêssego, uva, kiwi e maçã são ricas em fisetina. De acordo com estudos do Instituto Salk, dos Estados Unidos, essa substância é responsável por manter a memória jovem no cérebro estimulando e fortalecendo as conexões entre os neurônios. Porém, não são apenas essas frutas que contém a fisetina. Cebola, tomate e espinafre também estão entre os alimentos considerados boas fontes de fornecimento de fisetina ao organismo.

Ostras


Foto: iStock.

As ostras oferecem zinco ao organismo. O zinco protege os neurônios contra radicais livres e preserva suas membranas, o que ajuda na comunicação entre eles. Também pode ser encontrado nas carnes vermelhas, no caranguejo, no fígado, nos laticínios e nos ovos.

Abacate


Foto: iStock.

O abacate é fonte de um importante mineral, o selênio. Pessoas com baixo nível dessa substância no organismo são propensas a ter distúrbios na atividade dos neurotransmissores como, por exemplo, frequentes e sensíveis alterações de humor. O selênio funciona como auxiliar de outras substâncias como serotonina, dopamina e acetilcolina, protagonistas na boa operação do cérebro. Além do abacate, o selênio pode ser absorvido nos grãos, no alho, na carne, nos frutos do mar, na castanha do Pará, nas nozes e na avelã.

Lentilha


Foto: iStock.

Fonte de ferro para o organismo. A função essencial do ferro é ajudar a transportar oxigênio para os tecidos, inclusive rumo ao cérebro. Quando os níveis da substância diminuem, as pessoas sofrem mais com cansaço e perda de memória. Isso as torna mais desatentas e apáticas. O ferro pode ser encontrado tanto em carnes como em vegetais. Entre os alimentos de origem vegetal estão lentilha, agrião, couve, cheiro-verde, leguminosas, feijões, fava, grão-de-bico, ervilha e grãos integrais. Nas carnes, o destaque é o fígado tanto de aves quanto de bovinos, mas partes como rim e coração também são ricas na substância, assim como os mariscos.

Leite


Foto: iStock.

O leite é uma das fontes que provê fósforo ao organismo, substância importante na constituição da membrana celular. O fósforo deve estar presente na dieta para evitar a sobrecarga do corpo especialmente no período de excesso de atividades cerebrais. Pode ser encontrado, além do leite, na carne bovina, nos peixes, nas aves, nos ovos, nos cereais, nas leguminosas, nas frutas, no chá e no café.

Beterraba


Foto: iStock.

Alimentos ricos em nitratos aumentam a irrigação de sangue no cérebro e ajudam as pessoas que desenvolvem trabalhos intelectuais. A beterraba é um desses alimentos. Também são fontes de nitratos o repolho, o nabo, o espinafre e o aipo.