Colesterol bom x colesterol ruim

Autor: 
Dr. Jerry Gordon

Os comentários sobre o colesterol "bom" e o "ruim" se referem ao tipo de molécula que transporta o colesterol. Estas moléculas transportadoras são feitas de proteínas, chamadas de apoproteínas. Elas são importantes porque o colesterol e outras gorduras (lipídeos) não são solúveis na água, o que também significa que eles não se dissolvem no sangue. Quando estas apoproteínas se juntam com o colesterol, formam um composto chamado lipoproteínas. A densidade destas lipoproteínas é determinada pela quantidade de proteína contida na molécula. O colesterol "ruim" é o de lipoproteína de baixa densidade (LDL), o maior carregador de colesterol no sangue. Altos níveis destes LDLs estão associados com a aterosclerose. O colesterol "bom" é o de lipoproteína da alta densidade (HDL). Um alto nível de HDL protege contra o bloqueio das artérias.

O alto nível de LDL no sangue pode significar que as membranas celulares do fígado reduziram o número de receptores de LDL devido aos valores elevados do colesterol dentro da célula. Após uma célula ter usado o colesterol para suas necessidades químicas e não precisar mais dele, ela reduz o número de receptores de LDL, o que capacita que os níveis de LDL se acumulem no sangue. Quando isto acontece, os LDLs começam a depositar colesterol nas paredes das artérias, formando placas grossas. Em contraste, os HDLs trabalham para remover este colesterol excessivo e transportá-lo para o fígado a fim de eliminá-lo.

Um terceiro grupo de moléculas transportadoras, as lipoproteínas de densidade muito baixa (VLDL) se convertem para LDL após terem deixado os triglicérides nos músculos e no tecido adiposo (de gordura).

Os níveis de HDL, LDL e de colesterol total são todos indicadores de risco de aterosclerose e infartos. Pessoas com nível de colesterol em 275 ou mais (200 ou menos é a quantidade desejável) estão sob risco significativo de ter um infarto se não tiverem um nível de HDL favorável. Além disso, pessoas que têm níveis normais de colesterol, mas cujos níveis de HDL são baixos, também correm risco de ter infarto.