Tratamentos para o autismo

Autor: 
Stephanie Watson
Assistência no tratamento
O tratamento para o autismo pode ser caro, mas há fundos do governo disponíveis para crianças com DEAs. A IDEA - Individuals with Disabilities Education Act - (Lei pela Educação para Pessoas com Deficiências (em inglês)) é um programa do governo federal que ajuda as crianças com deficiência de aprendizado oferecendo, gratuitamente, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos ou outra ajuda. As escolas também têm que criar o IEP (Individualized Education Program - Programa de Educação Individualizada), especificamente dirigido a crianças com necessidades especiais de aprendizado.

Não há cura para o autismo, mas com tratamento, os autistas podem levar uma vida melhor. A terapia comportamental (também chamada de intervenção comportamental) é o tratamento mais usado. Professores, pais e conselheiros trabalham juntos para ajudar a criança a melhorar a comunicação e as habilidades físicas e sociais.

Uma das terapias comportamentais mais populares é chamada de TEACCH (Treatment and Education of Autistic and Communication Handicapped Children - Tratamento e Educação das Crianças Autistas e com Deficiência em Comunicação), desenvolvida na década de 70. Com esse método, os pais e profissionais (professores, terapeutas etc.) trabalham juntos para melhorar as capacidades de adaptação das crianças por meio de terapia cognitivo-comportamental estruturada. O programa é individualizado para a criança e acontece em vários ambientes - desde clínicas até salas de aula. Outros programas educacionais incluem o Higashi School, que ensina comportamentos positivos através da educação física, artística e acadêmica, e o Bright Start, que ajuda a melhorar a comunicação, a atenção e as habilidades cognitivas das crianças.

As crianças também podem precisar de terapia ocupacional (para aprender as tarefas diárias), terapia de integração sensorial (para ajudar na estimulação), fisioterapia (para melhorar os movimentos) e fonoaudiologia. O tratamento deve ser elaborado para cada criança individualmente.

Embora eles não possam tratar o autismo especificamente, alguns medicamentos podem ajudar a controlar os sintomas. A maioria dos medicamentos prescritos para autismo não é aprovada pela FDA para esse fim, mas foi aprovada para tratar os mesmos sintomas em outras doenças. Esses medicamentos incluem:

antidepressivos - pesquisadores descobriram que as pessoas com autismo têm um nível alterado do neurotransmissor serotonina. Os medicamentos chamados de inibidores seletivos de recaptação de serotonina ((ISRSs), que incluem Prozac e Zoloft, ajudam a regularizar os níveis de serotonina e a controlar a ansiedade, depressão (em inglês) e comportamentos obsessivo-compulsivos (entretanto, existe uma preocupação de que esses medicamentos possam estar associados a comportamentos e pensamentos suicidas em crianças, por isso são usados com cuidado).

medicamentos antipsicóticos - originalmente usados para tratar a esquizofrenia, podem ajudar a diminuir a agressão e a melhorar outros problemas comportamentais graves associados ao autismo. Eles reduzem a quantidade do neurotransmissor dopamina no cérebro. Os medicamentos antipsicóticos mais antigos (como Haldol) podem ser eficientes para autismo, mas podem ter efeitos colaterais, inclusive sedação ou movimentos incomuns (chamados discinesia). Em 2006, o FDA aprovou um novo medicamento antipsicótico, a risperidona, para irritabilidade em crianças e adolescentes autistas de 5 a 16 anos. É o primeiro medicamento aprovado especificamente para comportamentos relacionados ao autismo, como agressão, hostilidade, auto-flagelo e agitação, e tende a ter menos efeitos colaterais que os medicamentos mais antigos.

estimulantes - os medicamentos usados para tratar o TDAH (Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade), como a ritalina, podem ser eficientes para os sintomas de hiperatividade e impulso em crianças autistas. Esses medicamentos também podem apresentar efeitos colaterais comportamentais, e as crianças que os tomam precisam ser monitoradas com cuidado.

Na próxima página, veremos algumas terapias alternativas e complementares para o autismo.