Como funcionam os antidepressivos

Autor: 
Craig Freudenrich, Ph.D.
­antidepressivos

Os antidepressivos são a primeira linha no tratamento contra a depressão. As vendas anuais de antidepressivos são de aproximadamente 50 bilhões de dólares, tornando essa classe de medic­amentos uma das mais prescritas atualmente. Muitas empresas farmacêuticas se dedicam ao marketing de antidepressivos direto ao consumidor por meio da televisão e de meios impressos. Assim, os pacientes têm uma grande influência nos padrões de prescrição de profissionais da saúde quando se trata de desse tipo de medicamento. Os antidepressivos são prescritos com freqüência, mas, afinal, o que são exatamente antidepressivos? Como eles funcionam? São eficazes?

antidepressivos
Joe Raedle/Getty Images
Os antidepressivos estão entre os medicamentos
 mais prescritos nos Estados Unidos

Nesse artigo, examinaremos a depressão, os tipos de tratamento realizadas com antidepressivos, como funcionam os antidepressivos, além de sua eficácia e seus efeitos colaterais. Mas para compreender como funcionam os antidepressivos, precisamos primeiro analisar a própria depressão.

Importante!
Esse artigo é apenas informativo, e não serve como orientação médica. As pessoas que estão em busca de atendimento para obterem diagnóstico e tratamento da depressão devem consultar seu médico e/ou farmacêutico.

A depressão ou transtorno depressivo maior (em inglês) - TDM, também chamado de depressão unipolar ou depressão clínica - ocorre em cerca de 15 milhões de americanos por ano. Pode ocorrer em qualquer idade (incluindo crianças menores de 5 anos), mas afeta com mais freqüência pessoas entre 25 a 44 anos. O TDM atinge aproximadamente 20% das mulheres e 10% dos homens [fonte: HealthyPlace.com (em inglês)]. O TDM leva à perda de produtividade no trabalho e na escola. E o mais importante, é a principal causa de suicídio (em inglês).

O TDM, diferente dos curtos períodos de "melancolia", é uma mudança persistente de humor que pode interferir na família, nos relacionamentos e na auto-estima. Episódios recorrentes podem durar dias, meses ou anos. O TDM possui sintomas físicos e mentais, que incluem:

  • humor depressivo (tristeza)
  • perda de interesse ou prazer
  • interrupção do sono
  • cansaço
  • sentimentos de inutilidade, desânimo, desesperança e desamparo
  • mudanças de apetite, perda ou ganho de peso
  • perda do interesse sexual
  • incapacidade de pensar, concentrar-se ou tomar decisões

Para se ter um diagnóstico clínico do TDM, esses sintomas devem ocorrer com freqüência por um período mínimo de duas semanas.

Esses sintomas também podem ser resultado de outras doenças como hipertensão (em inglês), diabetes (em inglês), doença cardíaca (em inglês) e epilepsia (em inglês). Então, é possível que o episódio depressivo seja um sintoma secundário de outra doença. Como não existe teste laboratorial para a depressão, os médicos podem realizar vários testes para descartar essas outras possíveis doenças. Se todas elas forem excluídas, permanece o TDM.

Na próxima seção, conheceremos as causas da depressão.­