Antes e depois: amnésia retrógrada e amnésia anterógrada

Autor: 
Cristen Conger

Pode ser difícil reconhecer as causas e os efeitos da amnésia. Para uma pessoa, ela pode apagar alguns minutos de memória. Para outra, como Clive Wearing, uma vida inteira pode desaparecer. Dessa forma, além de definir a amnésia pela causa - lesão cerebral ou trauma psicológico - os médicos caracterizam a amnésia pelo tipo das memórias perdidas.

A amnésia retrógrada é a incapacidade de se lembrar do passado. A amnésia anterógrada é a perda da habilidade de criar novas memórias e absorver novas informações.

A amnésia anterógrada, a mais comum das duas, está associada à lesão no hipocampo. Com ela, não é possível transformar novas informações sensitivas em memórias de longo prazo. Por exemplo, a perda de consciência induzida pelo álcool é um tipo de amnésia anterógrada neurológica. O excesso de álcool impede que as vias neurais no cérebro formem novas memórias enquanto estão intoxicadas. As pessoas que sofrem de perda de consciência podem falar e interagir normalmente, mas na manhã seguinte não se lembrarão de nada.

A amnésia consegue apagar o medo?

eternal sunshine of the spotless mind
Getty Images
Jim Carey e Kate Winslet em "Brilho eterno de uma mente sem lembranças"

O filme "Brilho eterno de uma mente sem lembranças" trabalhou com a
idéia de tirar completamente de alguém partes de sua memória. Pesquisadores do laboratório LeDoux, na Universidade de Nova Iorque, estão perto de
tornar esse conceito uma realidade: estudam maneiras de apagar certas
memórias emocionalmente carregadas no cérebro. Sua pesquisa se concentra nas
respostas do cérebro a coisas que nos assustam. Sempre que criamos uma memória de um momento assustador, como uma mordida de cachorro,
criamos vias neurais no cérebro para essa memória que
traçamos novamente quando nos lembramos dela. Em uma experiência com ratos, os
pesquisadores descobriram um medicamento que removeu uma via neural ligada
a uma memória assustadora. Com o avanço da pesquisa, ela poderia evoluir para uma
terapia inovadora para pessoas com distúrbios emocionais ou debilitadas por
memórias assustadoras específicas.

Para obter mais informações, leia Existe algum meio de apagar uma lembrança pós-traumática?

­A amnésia retrógrada ataca primeiro as memórias mais recentes. Quanto mais grave o caso, maior a extensão da perda de memória. Esse padrão de destruição das memórias mais novas antes das antigas é chamado de lei de Ribot. Isso acontece porque as vias neurais das memórias mais novas não são tão fortes quanto as mais antigas, fortalecidas por anos de recuperação. A amnésia retrógrada geralmente segue uma lesão nas áreas do cérebro além do hipocampo, pois as memórias de longo prazo são armazenadas nas sinapses de diferentes regiões cerebrais. Por exemplo, a lesão na área de Broca, que armazena as informações da linguagem, provavelmente causaria perda de memória relacionada à linguagem.

Com as amnésias retrógrada e anterógrada, é importante entender que a memória das pessoas que normalmente é perdida é a memória explícita, ou episódica. Os pacientes com amnésia mantêm sua personalidade e identidade, além de sua memória implícita, ou processual. Isso porque sua coordenação motora e suas memórias físicas instintivas - como andar de bicicleta - são armazenadas separadamente de suas memórias episódicas. O hipocampo processa inicialmente os dois tipos, mas as memórias episódicas seguem para o córtex, enquanto as memórias processuais vão para o cerebelo. É por esse motivo que Clive Wearing ainda consegue tocar piano (memória implícita), mas provavelmente não pode descrever que peça de música tocou (memória explícita).

Continue lendo para descobrir como vivem as pessoas com grandes lacunas na memória.

­