Causas da amnésia: acontecimentos traumáticos

Autor: 
Cristen Conger
Acidente de carro
Brian Stablyk/Getty Images
Acidentes de carro graves podem desencadear um caso de amnésia dissociativa

Pessoas envolvidas em acidentes de carro sérios ou vítimas de crimes violentos, às vezes, não conseguem se lembrar do incidente. Quando a amnésia segue um acontecimento traumático externo como esses, os médicos a chamam de amnésia dissociativa, ou psicogênica. Esse tipo de amnésia associa eventos externos, como problemas conjugais (em inglês) ou crises financeiras às reações neurológicas no cérebro. Como a amnésia neurológica, a amnésia dissociativa altera a capacidade do cérebro de formar novas memórias. No entanto, a amnésia dissociativa geralmente é temporária.

A amnésia dissociativa se divide em duas categorias principais com base na extensão da perda de memória. A amnésia dissociativa global afeta as informações autobiográficas obtidas durante um longo período, enquanto a amnésia dissociativa circunstancial envolve as memórias de acontecimentos traumáticos específicos, como um acidente de carro ou um crime violento. Os dois são conseqüência dos efeitos de estresse extremo no cérebro.

Amnésia e crime

As pessoas que cometem crimes violentos geralmente dizem que não se lembram
do que aconteceu. Em um estudo realizado com criminosos com sentenças de prisão perpétua,
29% alegaram estar com amnésia e apenas 33% disseram que se lembraram de ter cometido o crime três anos depois [fonte: Pyszora (em inglês)].
Em muitos desses casos, havia histórico de alcoolismo e distúrbio mental,
e o crime geralmente havia ocorrido durante um momento de extrema
loucura emocional ou paixão.

­O estresse intenso e prolongado pode levar à amnésia dissociativa, pois ele ativa as glândulas supra-renais, que liberam cortisol e outros hormônios na corrente sangüínea. O cortisol, em particular, reduz a plasticidade do cérebro, ou sua capacidade de mudar de forma a fim de criar novas vias nervosas durante a formação da memória. A exposição prolongada ao cortisol pode afetar negativamente o hipocampo [fonte: Instituto Canadense de Neurociência, Saúde Mental e Dependência (em inglês)]. Fica mais difícil criar memórias com um hipocampo debilitado, o que pode produzir amnésia dissociativa no ponto máximo do estresse.

Por exemplo, uma mulher anda pelo hospital confusa e agindo como se tivesse perdido completamente sua identidade. Em questão de dias, algo ativa sua memória. Talvez tenha visto algo no noticiário sobre sua cidade natal ou ouvido alguém dizer o nome de sua filha. A partir daí, ela rapidamente passa a se lembrar de quem é e se recupera daquele comportamento estranho.

Embora muito raro, essa mulher provavelmente estava sofrendo de amnésia dissociativa global, levando a um estado de fuga, ou período de perambulação. Esse tipo de amnésia, que trata da perda de todas as informações autobiográficas e identidade, é bastante grave porque a maioria dos pacientes apresenta problemas mentais, o que piora os efeitos do trauma psicológico sofrido. Normalmente, essas pessoas tinham depressão prolongada, uma lesão cerebral prévia como na epilepsia ou um trauma de crânio extenso. Por essa razão, o trauma pode ter um impacto muito grande sobre o cérebro.

A amnésia nem sempre apaga seu passado. Às vezes, ela destrói seu futuro. Continue lendo para saber como.